OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

A “POLÍTICA” SEM POLÍTICA 21 Agosto 2017

A “política” sem política se preocupa com a sua própria existência enquanto tal; seu esforço se concentra fundamentalmente em manter e preservar os interesses e os privilégios daqueles que nela militam.

Por: José João Neves Barbosa Vicente*

A “POLÍTICA” SEM POLÍTICA

Infelizmente, em termos políticos, o que se pode perceber ou constatar em vários cantos do mundo, é uma “política” sem política; isto é, uma “política” obscura fundamentada na defesa dos interesses individuais ou de grupos específicos que sufoca aqueles que através do trabalho árduo seguram uma nação inteira em seus ombros. Esse tipo de “política” distorce o verdadeiro sentido da “coisa pública”, desrespeita o sentido do “bem comum” e semeia desesperança, desconfiança e medo em todos os setores e segmentos da sociedade.

A “política” sem política se preocupa com a sua própria existência enquanto tal; seu esforço se concentra fundamentalmente em manter e preservar os interesses e os privilégios daqueles que nela militam. Na “política” sem política não há representantes, mas sim donos do povo; as coisas não se mostram como elas verdadeiramente são, mas como se pretendem que elas apareçam; tudo é visto como um meio para se chegar mais longe, o próprio discurso não passa de um disfarce para camuflar a realidade e as verdadeiras intenções.

A “política” sem política é, portanto, uma grande ameaça à sociedade; contra a transparência e agindo nas sombras, ela apenas faz, diz e mostra exclusivamente aquilo que lhe interessa diretamente, não aquilo que verdadeiramente precisa ser feito, dito e mostrado a todos. Nesse tipo de política só interessa o “poder”, não para governar ou proteger os cidadãos, mas sim para se defender das verdades que ela mesma esconde em seus discursos e ações. A “política” sem política é o reflexo da atividade daqueles que, sob a capa da política, se apropriam da “coisa pública”, não para atender ao “bem comum”, mas sim para realizar desejos e interesses particulares próprios ou de grupos específicos.

*Filósofo, professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Editor da GRIOT: Revista de Filosofia.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau