LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

ANGOLA:DIPLOMATAS CONCLUEM QUE ELEIÇÕES FORAM «LIVRES, JUSTAS E CREDÍVEIS» 28 Agosto 2017

Um grupo de 149 diplomatas angolanos observou as eleições gerais de 23 de agosto, em Angola, tendo concluído que foram «livres, justas e credíveis», anunciou hoje, em Luanda, o ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti.

ANGOLA:DIPLOMATAS CONCLUEM QUE ELEIÇÕES FORAM «LIVRES, JUSTAS E CREDÍVEIS»

De acordo com o chefe da diplomacia angolana, para este processo de observação eleitoral, a convite da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), foram constituídos oito grupos que cobriram 116 assembleias de voto em oito municípios da província de Luanda, acrescida da observação também nas províncias de Cabinda, Cunene, Cuando Cubango, Zaire e Benguela.

«Face ao que observou, considera as eleições foram livres, justas e credíveis, premissas que contribuem para o reforço da democracia e coesão nacional», referiu o ministro Georges Chikoti, na leitura da declaração final da equipa de observadores nacionais do Ministério das Relações Exteriores.

Estes diplomatas angolanos assistiram ainda ao processo de encerramento das urnas e contagem de votos, tendo constatado que foi «rigoroso» e «acompanhado pelos delegados de lista dos partidos concorrentes e observadores».

«As eleições gerais foram realizadas de acordo com as práticas internacionais e no respeito dos princípios democráticos e direitos políticos consagrados na Constituição da República de Angola e em consonância com a sua lei eleitoral», declarou Georges Chikoti, que coordenou este grupo de observadores.

Tal como outros observadores, nacionais e internacionais, a equipa de diplomatas reconheceu dificuldades na garantia de alimentação aos técnicos eleitorais presentes nas mesas de voto, bem como dificuldades logísticas no processo de contagem dos votos: «Em algumas assembleias tiveram de recorrer a luz artificial. A contagem foi lenta, mas eficaz».

Os resultados provisórios, divulgados na sexta-feira pela CNE de Angola, colocam o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) na frente da contagem com 61,05%, e 4.115.302 votos, elegendo João Lourenço como próximo Presidente da República

No entanto, estes resultados preliminares - os finais só serão divulgados depois de 06 de setembro -, com quase 99% das mesas de voto escrutinadas, não são reconhecidos pelos partidos da oposição, que estão a fazer um escrutínio paralelo, com base nas atas síntese e de operações enviadas pelos respetivos delegados às assembleias de voto.

Na contagem anunciada pela CNE, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) conta com 26,72%, chegando aos 1.800.860 votos. À Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE) são atribuídos 639.789 votos (9,49%), com 16 deputados, ao Partido de Renovação Social (PRS) 89.763 votos (1,33%) e dois deputados, e à Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) 61.394 votos (0,91%) e um deputado.

A Aliança Patriótica Nacional (APN) soma 33.437 votos (0,50%), mas ainda insuficiente para garantir um deputado. Fontes: Lusa c/ A Bola África.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau