OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

As emoções do Futebol 16 Maio 2017

Concluímos este artigo dizendo que o futebol é uma das modalidades mais fantásticas que temos, tanto é que é denominado de desporto Rei. Não só por ser um autêntico espetáculo desportivo, ou autêntica magia, em que as pessoas assistem e ficam com sede de voltar a assistir, não só por ser uma brilhante modalidade de se praticar, mas também porque congrega pessoas de diferentes raças, gerações, faz amizades e ainda traz enormes benefícios para a nossa saúde.

Por: Alberto Lopes Sanches

As emoções do Futebol

Futebol é, sem sombra de dúvida, uma das modalidades desportivas mais seguidas e apreciadas no mundo. As crianças, jovens e adultos estão sempre a dedicar-se a esta prática por tudo quanto é lado, outrora descalço, improvisando até os campos, as balizas e as bolas, mas também chegam até a disputar a ocupação do recinto desportivo. Em tempos passados que as televisões e mesmo as operadoras que transmitiam jogos não abundavam, o que nos restavam eram os rádios para ouvir relatos e quem tinha uma pontinha de televisão, mesmo com imagens a preto e branco e com sérias dificuldades de transmissão eram invadidos em suas casas, especialmente no dia em que as equipas grandes ou seleções se disputavam.

Os adeptos eram tantos que as casas sobrelotavam e cada um tentava espreitar o jogo da forma como puder. Sentado na cadeira ou no chão, abaixado, de pé e outros com crianças ao colo. Os jogos eram seguidos com discussões acesas entre os adeptos mais ferrenhos que procuram sempre exaltar as grandes qualidades dos jogadores da sua equipa. Essa paixão pelo futebol, muitas vezes crescia desde a tenra idade em casa, na vizinhança, na escola, e no convívio com os colegas. Nos tempos de lazer não havia muita alternativa e esta modalidade era dos que gerava mais debates entre as pessoas. Na Cidade da Praia, por exemplo alguns adeptos compravam jornais e revistas desportivos que vinham de Portugal para poderem ler-se e manter-se bem informados sobre tudo que passava nessa competição. Hoje as coisas mudaram bastante, isto é a internet permite-nos seguir tudo em tempo record.

Apesar de termos equipas de futebol nos nossos bairros, e termos também campeonatos que decorram todos os anos em Cabo Verde, a paixão maior está virada para os campeonatos europeus e em especial o campeonato português. Isto justifica-se pelo simples facto de termos uma estreita ligação histórica e cultural com os portugueses, mas também a nossa diáspora que se concentra em larga escala em Portugal. A equipa do S.L. Benfica é a que apresenta maior número de adeptos em Cabo Verde, o F.C. Porto vem logo de seguida e por fim o Sporting C. P. As famílias fazem questão de ter uma televisão em casa como forma de seguir a par e passo esta competição desportiva. Uma competição que pela sua imensa qualidade chega e entra sem bater e muito menos pedir licença em casa das pessoas. Ela é imprevisível de tal modo que nunca se determina o vencedor antecipado, pelo contrário tudo pode acontecer do primeiro aos 90 minutos do jogo, porque “a bola é redonda” e por essa razão causa muitas expectativas e fortes emoções nos adeptos.

Os adeptos não trocam por nada o momento do jogo entre as grandes equipas. Deixam tudo para trás ou fazem tudo que tem para fazer atempadamente para não embaraçá-los nesse momento. As discussões começam horas antes do jogo, continuam no momento do jogo e aquece depois da partida. É com o término da partida de futebol que eles estarão mais aptos para falar. As discussões são intensas que outrora quase que desembocam em brigas, isto porque esses momentos são geralmente acompanhados por álcool que direta ou indiretamente gera confusões.

Conhecem de cor os nomes, as origens de todos os jogadores da sua equipa de coração e sabem das qualidades de cada um deles. É caso para perguntar: o que é que ganham com os jogos e com as suas equipas de coração? Em princípio nada, mas na verdade estas disputas reforçam a convivência entre as pessoas, servem de estímulo para os outros e influencia mais prática desportiva e em especial o futebol. Tanto é que ele é tido como uma das indústrias que mais gera dinheiro. Os jovens ferrenhos decoram os seus quartos com fotografias, quadros, cores da sua equipa ou seleção de futebol preferida. Por altura do derby vestem a rigor, com camisolas, calções, cachecóis, ou também exibem bandeira para demonstrar à sociedade a sua forte expectativa em relação ao jogo e a sua confiança na vitória. O fanatismo, em tempos passados, era tanto que alguns adeptos imitavam relatos que se faziam nas rádios portuguesas.

A primeira participação dos Tubarões Azuis no Campeonato Africano das Nações, que teve lugar na África do Sul, em 2013, foi um dos momentos que mais marcou a vida desportiva dos cabo-verdianos. A seleção cabo-verdiana esteve muito bem nessa competição, aliás conseguiu alcançar os quartos-de-final. Por todos os cantos de Cabo Verde saborearam esse belo feito e festa aqueceu ainda mais com a chegada à casa dos jogadores da seleção e a equipa técnica.

Com a penetração cada vez maior da televisão em nossas casas passamos a apreciar e muito não só o campeonato português, mas também os campeonatos espanhol, inglês, franceses, italianos, alemães etc, onde se jogam os melhores jogadores do mundo e quase todos nós temos as nossas equipas de coração nestes países referenciados.

Concluímos este artigo dizendo que o futebol é uma das modalidades mais fantásticas que temos, tanto é que é denominado de desporto Rei. Não só por ser um autêntico espetáculo desportivo, ou autêntica magia, em que as pessoas assistem e ficam com sede de voltar a assistir, não só por ser uma brilhante modalidade de se praticar, mas também porque congrega pessoas de diferentes raças, gerações, faz amizades e ainda traz enormes benefícios para a nossa saúde.

Pena é que tem-se registado alguns incidentes no futebol e troca de acusações entre os dirigentes dos clubes. Atitudes que acabam por deixar os desportistas entre fogo cruzado e que contribuem para denegrir o bom nome de futebol. Alias quem não entende de ética desportiva não é desportista, porque devia, antes de mais seguir escrupulosamente os valores que fazem parte da actividade desportiva. O desportivismo é o princípio chave que deve-se vigorar no desporto. Só assim as competições continuarão a brilhar.

Os jogadores, apesar de pertencerem a clubes adversários, deviam sempre tratar uns aos outros com delicadeza e como colega de profissão, que na verdade são. Apanhamos dentro da mesma casa, dentro do mesmo estádio de futebol adeptos de equipas diferentes a debaterem-se civilizadamente e com uma convivência muito calorosa. Uma atitude inteligente na medida em que nós temos plena consciência de que nos jogos nem sempre uma equipa é que ganha. Há que saber perder.

Maio, 2017

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau