ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Cabo Verde quer perdão parcial da dívida pública para reinvestimento 17 Fevereiro 2018

Cabo Verde quer conseguir dos parceiros internacionais perdões parciais da dívida pública, assumindo o compromisso de reinvestir esses valores em sectores que promovam o desenvolvimento, disse esta sexta-feira, 13, o ministro das Finanças, Olavo Correia.

Cabo Verde quer perdão parcial da dívida pública para reinvestimento

"Queremos que a comunidade internacional continue a apoiar Cabo Verde. Por exemplo, na questão da dívida pública, temos de baixar o rácio e precisamos de sensibilidade para converter uma parte da dívida em projectos de saneamento, água, ambiente e educação", adiantou Olavo Correia.

Olavo Correia, que é também vice-primeiro-ministro, falava à agência Lusa no mesmo dia em que apresentou, às organizações internacionais e aos representantes diplomáticos acreditados em Cabo Verde, o plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentado (PEDS) para o período 2017-2021, estimado em 400 mil milhões de escudos (cerca de 360 milhões de euros).

De acordo com este governante cabo-verdiano, a ideia é conseguir dos tradicionais parceiros de desenvolvimento de Cabo Verde (Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, União Europeia, Portugal, Luxemburgo, entre outros) um perdão de dívida com o compromisso de reinvestimento em outros sectores. "Vários países já fizeram isso", disse, apontando como exemplo as ilhas Maurícias.

Olavo Correia disse ainda querer continuar a ter o apoio dos "parceiros clássicos" para mobilizar o investimento privado para o financiamento do plano. "Queremos criar um quadro de parceria com os vários governos para mobilizar o investimento privado. Precisamos de acordos para evitar a dupla tributação, livre circulação de pessoas, de capitais, um conjunto de medidas para propiciar o investimento de estrangeiros em Cabo Verde e de Cabo Verde no estrangeiro", garantiu.

Nesse sentido, o ministro adiantou que em Maio e Junho deste ano, será realizado um conjunto de mesas redondas com os parceiros clássicos de desenvolvimento, o sector privado internacional por áreas (transportes marítimos, aéreos, plataforma financeira, tecnológica) e as Organizações Não Governamentais (ONG’s).

"Queremos apresentar as ideias do país e poder contar com empresários e a comunidade internacional no financiamento do plano que temos para mudar a economia cabo-verdiana", disse. Olavo Correia mostrou-se ainda convicto de que o plano será financiado sobretudo pelos privados.

"Quem vai participar no financiamento é o sector privado. Vamos ter um modelo em que o Estado não vai investir nos portos, nos aeroportos, nos transportes marítimos, nos transportes aéreos, na energia e em outros sectores", acrescentou.

Com este modelo, considerou Olavo Correia, as necessidades de financiamento do Estado vão diminuir e serão concentradas na educação de qualidade, segurança e em infra-estruturas públicas que estimulem mais investimento privado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou, em janeiro, que a dívida pública cabo-verdiana se situou, em 2017, nos 126,5% do Produto Interno Bruto (PIB), sendo na sua maioria dívida externa (45% multilateral, 23,3% bilateral e 31,7% à banca comercial).

Para 2018, as estimativas da proposta de Orçamento do Estado apontam para a subida do endividamento público para os 132%. O PEDS estipula, entre outras, como metas a atingir no horizonte de 2021 uma taxa de desemprego de 9,4%, a erradicação da fome e redução da pobreza absoluta de 35% em 2015 para 28,7% da população.

O documento, elaborado em parceria com parceiros multilaterais e bilaterais, pretende também reduzir a criminalidade e aumentar a segurança e confiabilidade do país, bem como reforçar a democracia, promover a regionalização do país e de descentralização do Estado. Fonte:Lusa c/ MM

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau