ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Cooperação Económica entre China e CPLP: "Cabo Verde precisa fazer a sua promoção" 01 Julho 2014

"Cabo Verde precisa promover-se mais enquanto destino turístico e de investimentos. Na China ainda se pensa que Cabo Verde é um país encravado no continente africano. Muitos desconhecem que se trata de um arquipélago", disse ao asemanaonline Rita Santos, secretária-geral Ajunta do Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau). As declarações foram feitas à margem do Fórum Macau.

Cooperação Económica entre China e CPLP:

Esta responsável, no cargo desde 2003, ano em que o organismo foi criado, diz que Cabo Verde foi "um arquipélago que a surpreendeu aquando da primeira visita ao país, pela sua beleza natural e pela diversidade da mesma. Bem estudadas as ligações aéreas com um país europeu, os chineses podem fazer turismo em Cabo Verde. Os que lá foram adoram as vossas praias, o vosso peixe. É necessário trabalhar na captação do investimento sobretudo para o desenvolvimento turístico".

Sobre os objectivos do Fórum, Rita Santos entende que "todos os países de língua portuguesa, incluindo a China, querem que haja um conjunto de países juntos para haver o fortalecimento da cooperação económica, comercial e cultural. E o objectivo do Fórum Macau está bem explícito e não tem fins políticos. Este último aspecto distingue-nos da CPLP. O que pretendemos é que a China e os seus empresários, os empresários de Macau, utilizem Macau como plataforma de serviços para irem a esses países de língua portuguesa".

"O Secretariado Permanente do Fórum Macau, localizado naquela região autónoma, conta desde 2004, com todos os representantes dos sete países. E todos esses países têm uma comunidade em Macau. Congregamos aqui todas as comunidades onde os portugueses passaram, incluindo Goa, Damão e Diu", salientou.

Do trabalho realizado a responsável do Fórum Macau distingue a organização de "quatro conferências ministeriais em que foram assinados quatro planos de acção que abarcam todas as áreas de cooperação, nomeadamente a cooperação inter-governamental, cooperação entre empresas, parcerias e cooperação na área agrícola, pescas, desenvolvimento dos recursos humanos no sentido de organização de colóquios, cursos, feiras, semanas culturais, etc.”

Sobre o papel dos artistas cabo-verdianos neste fórum, Rita Santos referiu que "desde 2008 vários artistas cabo-verdianos foram convidados para actuar em Macau. A gastronomia já esteve presente com a vinda de cozinheiros. A população de Macau já conhece bem a cultura cabo-verdiana. A Associação dos Amigos de Cabo Verde existe há algum tempo e recentemente foi criada a Associação para a Divulgação da Cultura Cabo-verdiana que já fez uma exposição de pintura e um espectáculo com artistas cabo-verdianos residentes".

"A presença dos estudantes cabo-verdianos na China é uma mais-valia extremamente importante. Aprendendo a língua de um país que, nesse caso representa o grande mercado da China, dá possibilidade de aproximação, de enriquecimento e cooperação. Ajuda no processo da construção de parcerias.”

"A vossa população é rica em potencialidades e talentos e os cabo-verdianos adaptam-se muito bem à realidade de Macau. São advogados, médicos, funcionários públicos e empresários", destacou, dizendo que "o que queremos é dar oportunidade a todos os países de língua portuguesa para, entre eles, trocarem experiências e depois poderem exportar para China quando tiveram dimensão para tal".

"Sei que Macau vai anunciar a construção de três centros, um para serviços de pequenas e médias empresas, outro para a distribuição de produtos de língua portuguesa e um terceiro que será o centro de convenções e exposições. Cabo Verde também pode aproveitar esta oportunidade. A vossa conserva de peixe é maravilhosa", concluiu neste exclusivo ao asemanaonline.

Alexandre Conceição

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau