POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Debate sobre estado da Nação com manifestação dos trabalhadores da TACV frente ao parlamento 28 Julho 2017

O debate sobre o Estado da Nação que começa, esta sexta-feira,28, na Praia, vai ser diferente dos anteriores. É que a sessão vai desenrolar em simultâneo com uma manifestação de protestos por parte dos trabalhadores expedidos da TACV. O colectivo de cerca 300 empregados vai passar, segundo avisa a organização, frente ao parlamento para protestar a sua «indignação e discordância» sobre a forma como o Governo do MpD vem conduzindo o processo da privatização da campanha área nacional.

Debate sobre estado da Nação com manifestação dos trabalhadores da TACV frente ao parlamento

Conforme os promotores da iniciativa, a concentração está prevista às 16 horas frente à instalação da TACV, na Avenida Amílcar Cabral, na Capital. Em jeito de solidariedade, a manifestação vai contar com a participação de alguns dos mais de 100 trabalhadores filiados no SINDEP que viram cessado o seu contrato de trabalho com o Ministério da Educação.

Segundo a organização, a passeata deve culminar com uma concentração dos populares frente à instalação provisória do parlamento na auditório nacional, onde vão protestar contra às medidas de políticas do actual Governo de Ulisses Correia e Silva sobre a reestruturação e privatização da TACV – o processo conduzirá ao desemprego de cerca de 300 trabalhadores da companhia.

“Vamos todos defender a nossa TACV – Orgulho Nacional. Vamos mostrar a nossa indignação e discordância. Cabo-verdiano, …. nubá…. bem ma nôs”, lê-se num convite da organização posto a circular na cidade da Praia e em redes sociais.

Estando a TACV em reestruturação, a empresa vai deixar de fazer voos domésticos a partir de 1 de Agosto próximo. É que na sequência de decisão do Governo, os voos inter-ilhas passarão a ser assegurados pela Binter Cabo Verde. Como consequência, a TACV continuará com as ligações regionais e internacionais. Estas últimas vão depender das negociações em curso para a busca de um parceiro externo estratégico para a privatização da companhia de bandeira. Este processo todo tem deixado os trabalhadores numa situação de incerteza quanto ao futuro. Dai a manifestação desta sexta-feira.

Ouvido pela Comissão Especializada de Finanças e Orçamento da AN, o presidente do Conselho de Administração da empresa, José Luís Sá Nogueira, informou que a TACV iria reduzir cerca de 50% dos seus trabalhadores e estima um montante de 14 milhões de dólares para indemnizar os trabalhadores.

Entretanto, esta semana foi empossada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai fiscalizar a gestão da companhia e apurar eventuais responsabilidades. O MpD inviabilizou uma outra CPI proposta pelo PAICV para inquirir sobre os meandros do negócio com a BinterCV – uma denúncia de indícios de corrupção no processo foi entregue hoje ao Ministério Público (ver este jornal).

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau