ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Doze doentes com insuficiência renal regressam a Cabo Verde: Custos com hemodiálises no HAN preocupam Ministério da Saúde 14 Abril 2015

Seis pacientes evacuados para Portugal com problemas renais crónicos regressam dentro de meses a Cabo Verde para continuarem o tratamento no Centro de Hemodiálise do Hospital Agostinho Neto, na cidade da Praia. Este grupo vem juntar-se a outros seis doentes já retornados ao país este ano, num processo longo que visa trazer para casa a quase totalidade dos 170 cabo-verdianos em tratamento de insuficiência renal em Lisboa.

Doze doentes com insuficiência renal regressam a Cabo Verde: Custos com hemodiálises no HAN preocupam Ministério da Saúde

Seis pacientes evacuados para Portugal com problemas renais crónicos regressam dentro de meses a Cabo Verde para continuarem o tratamento no Centro de Hemodiálise do Hospital Agostinho Neto, na cidade da Praia. Este grupo vem juntar-se a outros seis doentes já retornados ao país este ano, num processo longo que visa trazer para casa a quase totalidade dos 170 cabo-verdianos em tratamento de insuficiência renal em Lisboa.

“Nem todos regressarão a Cabo Verde. Alguns porque refizeram a sua vida em Portugal, outros porque aguardam por transplante renal”, salienta a ministra da Saúde. Pelas contas de Cristina Fontes, mais de cem doentes vão regressar seguramente ao país nos próximos cinco anos, por fases. “Este ano vêm doze e já combinamos com Portugal a compensação que nos deve dar à medida que essas pessoas voltam”, informa a governante, realçando que Cabo Verde deixou de evacuar doentes renais desde que instalou a hemodiálise no maior hospital do país.

Este processo está a levar o Ministério da Saúde a pôr em prática um aturado sistema de contas para poder suportar os custos com o tratamento desses pacientes, agora no arquipélago. Segundo Cristina Fontes, a diálise com cada um dos doentes custa, em média, 120 contos mensais. Esta é uma despesa que, como explica a ministra, Cabo Verde não tinha quando os evacuados estavam em Portugal. “E note-se que não há comparticipação do INPS nesse tratamento”, frisa a governante, que faz questão de lembrar que “saúde não tem preço, mas tem custos”. Daí deixar claro que, em certas situações, “querer” não significa “poder”.

Contudo, para Cristina Fontes o mais importante é que os doentes possam continuar o seu tratamento com qualidade e perto da família, porque o Ministério da Saúde acredita que estar junto dos parentes ajuda, e de que maneira, no restabelecimento dos pacientes. Mas, para os pacientes das outras ilhas a separação persiste, embora se encurtem as distâncias e não tenham que deixar o seu país. É que neste momento, as pessoas que necessitam fazer hemodiálise são obrigadas a residir na cidade da Praia, quando a maioria dos pacientes que sofrem de insuficiência renal são da região de Barlavento. Uma realidade que, como a própria ministra da Saúde reconhece, demonstra a necessidade de se apetrechar o Hospital Baptista de Sousa do seu centro de hemodiálise para poder servir as ilhas da zona Norte.

Mas S. Vicente vai ter de esperar algum tempo para dispor de uma unidade igual à instalada no hospital da Praia, pelo grande investimento que representa. “Um centro de hemodiálise exige um esforço financeiro enorme, por isso temos de projectar as coisas de acordo com os fundos de que dispomos. Quero frisar que o Hospital Agostinho Neto conseguiu transitar os anos 2011, 2012 e 2013 sem qualquer dívida, mas agora começa a sentir a pressão dos custos advenientes dos tratamentos no centro de hemodiálise”, informa Cristina Fontes.

Para poder dar alguma resposta a pacientes com problemas renais, o HBS vai ser apetrechado com uma Diálise Peritoneal – um sistema mais simples do que o usado nos centros de hemodiálise, e normalmente direcionado para doentes com um quadro clínico menos grave.

A data para instalação desse equipamento no hospital de S. Vicente não foi avançada pela ministra da Saúde que, no entanto, tem uma certeza: “a instalação de um centro de hemodiálise no Mindelo é uma necessidade incontornável”.

KzB

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau