INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Eleições presidenciais chilenas acontecem este domingo 19 Novembro 2017

As eleições presidenciais chilenas acontecem este domingo, 19, com uma lista de oito candidatos, num escrutínio em que também se renova a Câmara dos Deputados e parte do Congresso, e que poderá ter uma segunda volta.

Eleições presidenciais chilenas acontecem este domingo

No final das campanhas eleitorais, a maioria das sondagens apontavam como vencedor o empresário Sebastián Piñera, de 68 anos, que já presidiu ao Chile entre 2010 e 2014.

A sondagem de sexta-feira passada do Centro de Estudos Públicos (CEP), uma das mais fiáveis, atribuía a Sebastián Piñera (candidato da direita) 44,4% dos votos, seguido de Alejandro Guillier (centro-esquerda), com 19,7%, e de Beatriz Sánchez, com 8,5%.

Todavia, a maioria das sondagens não esclarecia se seria ou não necessária uma segunda volta, a 17 de Dezembro, para eleger o próximo chefe de Estado, num eventual confronto com o senador independente Alejandro Guillier, conhecido jornalista da rádio e televisão que é candidato pela coligação progressista Fuerza de Mayoría, nome adotado pelo partido no poder após a saída da Democracia Cristã.

Este escrutínio, em que se prevê uma elevada abstenção, realiza-se sob novas regras que contribuem mais ainda para a incerteza dos resultados. “A mudança de quadro legal afecta desde o financiamento das campanhas eleitorais à atribuição de mandatos parlamentares, passando pela composição das candidaturas, nas quais devem figurar pelo menos 40% de mulheres”, informa uma fonte ligada aos observadores no país.

Além disso, cerca de 40 mil chilenos residentes em 59 países do mundo estão habilitados a votar pela primeira vez numa eleição presidencial.

Se o candidato da direita vencer as eleições, ocorrerá um duplo “dejá vu” presidencial, com o Chile a ser governado em 16 anos pelas mesmas duas pessoas: Michelle Bachelet (2006-2010 e 2014-2018) e Sebastián Piñera (2010-2014 e 2018-2022).

A vitória de Piñera representará também, na América do Sul, o fim de um ciclo de hegemonia da esquerda, afastada do poder no Brasil e na Argentina, e o regresso no Chile a um sistema multipartidário assente na tradição política do país.

Recorde-se que Sebastián Piñera foi, em 2010, o primeiro político da direita chilena a subir ao poder pela via democrática em 50 anos. “Candidata-se agora à reeleição para reverter as reformas da era Bachelet e colocar o país naquele que ele considera o caminho do crescimento e do progresso”.

Fonte: Mundo ao Minuto

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau