NOS KU NOS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Fim-de-ano: “Txeu alegria, coração doce, tud gente na festa” 31 Dezembro 2014

“Txeu alegria , coração doce, tud gente na festa” . É assim, tal como cantou Manuel de Novas, que milhares de cabo-verdianos vão celebrar em grande a passagem de ano. Quer com bailes populares e outros mais requintados a palavra de ordem é esquecer as tristezas e renovar as esperanças de que tempos melhores estão por vir. A animação está garantida com bailes que se multiplicam um pouco por todo o país. Na Praia, o areal da Gambôa promete ferver com um fim-de-ano “Di Borla”, protagonizado por um elenco de artistas di terra. Já em São Vicente, o réveillon faz-se em brasileiro: ao som do forró electrónico do grupo Calcinha Preta.

Fim-de-ano: “Txeu alegria, coração doce, tud gente na festa”

Não há constrangimentos que abalem o desejo dos cabo-verdianos de pular para o novo ano, "sabe na mund". Há bailes que cabem ao gosto de todos que querem entrar em 2015 a dançar. Este ano, a maioria das Câmaras Municipais vai organizar festas nas praias, praças e ruas dos concelhos. Na Praia, a Câmara realiza um fim-de-ano “Di Borla” na Gamboa. Ferro Gaita promete transformar o areal da Gambôa num terreiro de funaná. A festa terá ainda música com Ceuzany, Eder Xavier, Manu Lima, René Cabral, Totinho, Lura, Gilyto e Élida Almeida. Antes, os DJs LC Sabuja e André vão brindar a malta com os melhores hits do momento, para depois dar lugar ao grupo de artistas - Dany e Kimberly, Xibioti e Nani. À meia-noite, os céus da capital se iluminam com o tradicional fogo-de-artíficio. Para iniciar o ano cultural no dia 1 de Janeiro terá o Festival de Novos Talentos , no parque infantil no Plateau.

Em São Vicente, a festa começa depois da meia-noite, logo à seguir ao tradicional show de fogos-de-artíficio, ao “pit na Baía” e “quel bonhe d mar pa lavá alma”. Calcinha Preta, grupo de forró electrónico, comanda o baile na Rua de Lisboa. Mas o palco abre com prata da casa - Nova Ideia e Serenata, duas bandas bem conhecidas dos mindelenses. Haverá ainda um espectáculo-surpresa, promete a Câmara. O vereador da Cultura, Humberto Lélis, explica que todas as actividades foram comparticipadas por empresas locais, mas não avança valores.

Em Santa Catarina, a autarquia juntou-se aos festejos. Ao contrário dos anos anteriores, e apesar do chumbo do orçamento, a Câmara organiza uma festa de fim-de-ano com fogo-de-artifício e espectáculo musical. A praça central de Assomada, palco da festa, recebe a banda Somaroots e alguns grupos revelação do concelho. A animação começa assim que soarem as primeiras badaladas do novo ano, com fogo-de-artifício, lançado da sede da autarquia. E continua até ao amanhecer.

Um espectáculo de piroctecnia e um tradicional Boas-Festas com o maestro Paulino Vieira marca o fim-de-ano em São Nicolau. "O espectáculo de fogo-de-artifício vai durar largos minutos. Foi uma forma que a Câmara encontrou para assinalar a entrada de 2015 ", diz Américo Nascimento. Está previsto ainda um recordai à moda antiga, com Paulino Vieira e banda a desejarem "Boas Entradas" aos munícipes.

Festas privadas com mesa farta

Para as pessoas que não se importam em desembolsar algum dinheiro para uma baile mais restrito a oferta é também diversificada. Na cidade da Praia, por exemplo, o novo espaço AQVA, na Quebra Canela, recebe a festa “Delirium”, organizada pelos Executive Line. São 5.600 escudos por pessoa para dois dias, 31 de Dezembro e 1 de Janeiro. O restaurante Gambôa, também na Praia, recebe a festa mais cara deste fim-de-ano: 12 mil escudos/casal e 6 mil escudos/individual, com música ao vivo com Kaku Alves, Zé Reis e Josimar.

Em São Vicente, o grupo Walt realiza o seu baile de passagem de ano no Pont d´Água, por quatro mil escudos individual. Entretanto Ponte d´Água tem oferta própria: um jantar com lula, lasanha, arroz de marisco e de pato, bacalhau e outras iguarias, por 3.500 (individual) e 5.500 (casal). Já o “DF Eventos” convida-o a entrar no novo ano no complexo Pombas Brancas, a desfrutar de uma vista panorâmica da cidade do Mindelo. Quem quiser ir terá que desembolsar 8 mil escudos (casal) e 4 mil escudos (individual). O Canal Futebol Clube faz a sua “Remember the Time” no Culumbinho por dois mil escudos por pessoa.

O Hotel Porto Grande espera conquistar o público pelo estômago e com música nas vozes de Edson Oliveira, Jenifer Soledad, Gay e Anísio, Tó Alves e ainda DJ Fat Boy. Os pratos são diferenciados: Kedjenou de peixe com fufu, Thie Bou Djene, Siga de carne de porco, Emaise de frango com molho de moamba, Kusta, Arroz Sul-africano e Almôndega de Carne, ao preço de 7.500 (casal) e 4 mil escudos (individual).

No interior de Santiago, são sobretudo os jovens que vão celebrar a passagem de ano. Nos Picos vão promover uma festa no Largo da Achada Igreja, com guisado, xerém, leitão, doces e salgados. Vários Djs prometem animação musical non stop. No dia 1 de Janeiro, o "São Bráz" começa às 10 horas da manhã e vai até onde as forças permitirem, por 1.500 (individual) e 3000 (casal). Nos Órgãos, os RP - Rapazes e Raparigas da Paz – convidam moças e mocinhas a festejar na discoteca Dali, em João Teves. São dois dias de baile, com mesa farta e ementa à base de caldos para “curar” a ressaca.

Em Assomada, o restaurante Nova Alegria, o Batuke e a discoteca Karga são outros espaços da cidade do planalto onde a animação promete durar até às primeiras horas de 2015. Mas uma das festas mais badaladas em Assomada é a que o ginásio Remsica organiza todos os anos, com fogo de artifício incluído.

No Tarrafal, o Baía Verde realiza um jantar de réveillon com menu especial: bacalhau, arroz de pato, perna de porco, cabrito, feijão preto, xerém, champanhe e outras bebidas, ao preço de 5 mil escudos/casal e 3 mil escudos/ individual. Para quem quiser desfrutar de mais um dia de festa, neste caso no dia 1, o preço sobe para sete mil escudos e quatro mil, respectivamente. Os convidados terão direito a música ao vivo e, para levantar o ânimo, será servido um “mon d´vaca” nas primeiras horas do Ano Novo, ao som da "tchabeta" das batucadeiras.

No município da Ribeira Grande de Santo Antão, são as pessoas mais maduras que chamam a si a tarefa de organizar festas que assinalam a despedida de 2014. No Pedracin, no dia 31, a festa custa cinco mil escudos/casal e 3.500/individual e conta com fogos-de-artifício e música com Albertino Évora e Djimy. No Lar de Idosos, também na Ribeira Grande, os convivas terão de desembolsar quatro mil escudos (casal) e 2.500 escudos (individual) para dois dias de festa, 31 de Dezembro e 1 de Janeiro, enquanto que na Ponta do Sol, a malta mais jovem organiza a festa “Convivência” para todas as idades. São 6 mil escudos (casal) e 3 mil escudos (individual) para dois dias de sabura. Já na cidade do Porto Novo, todos os caminhos levam à discoteca do Santo Antão Resort “Mar Hotel”, por 7 mil escudos (casal) e 3.500 (individual).

Turistas fazem réveillon crioulo

A festa de fim-de-ano também é feita de turistas. As operadoras das ilhas do Sal e Boa Vista esgotaram todos os pacotes para a ocasião. São turistas que trocam o frio que já cobre vários países da Europa com um manto branco, por umas mini-férias junto ao sol e águas quentes das praias de areia branca a perder de vista. Para atender à demanda, as companhias aéreas TACV e a Thomas Cook aumentaram as suas ligações aéreas para o período que vai de 20 de Dezembro a 3 de Janeiro, com voos provenientes de Lisboa e Bruxelas, que se juntam aos 30 regulares. A festa será grande com jantares e música ao vivo de grupos locais para animar os clientes que lotam os hotéis da ilha.

Só o Solférias vendeu quase 500 programas para o réveillon em Cabo Verde, tendo esgotado, “toda a capacidade” em “voos especiais para o réveillon nas ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boa Vista”. O operador vendeu 203 desses programas para Boa Vista nos voos especiais de 27 e 28 de Dezembro, e 212 para a ilha do Sal, nos voos especiais de 26 e 27 de Dezembro na TACV. O operador Solférias vendeu ainda 42 passageiros em voos da TAP, com partidas de Lisboa, a que se somam mais 19, para o fim do ano na ilha de São Vicente. E ainda disponibilizou voos extras para a ilha do Sal e Boa Vista.

As unidades hoteleiras responderam à demanda. Meliãs Tortuga e Dunas, no Sal, disponibilizam aos seus clientes um jantar de gala e animação de réveillon, mas também aceitam reservas de locais para a virada de ano. No Tortuga, a opção de jantar de fim-de-ano com entretenimento custa 230 euros por pessoa, e, no Dunas 250 euros. O Meliã Tortuga estará com “over booking”. A maioria dos clientes são britânicos, nórdicos e belgas, estando prevista uma média de 1200 pessoas no Dunas e 650 no Tortuga, só para a semana de réveillon.

Também no Sal, algumas unidades hoteleiras estão a apostar forte no reveillon. O Hotel Belorizonte apresenta como atracção musical o grupo português MP80 e um rico jantar ao preço de 100 euros. O Dunas também promove um jantar com menu especial para os seus hóspedes. No Odjo d´Agua, depois das passas e do champanhe, entram em cena os artistas Dúnia, Ulisses e Cula. A festa custa 8 mil escudos. Ainda no Sal, a malta jovem do “Jurf” realiza a sua festa no Clube Académica.

Na praia, na rua, nos hotéis ou em família o réveillon dos cabo-verdianos e dos muitos turistas será em alto astral, augurando “Boas Entradas” e “vida saúde pa tud criston”.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau