LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Aumenta pressão para convocar novas eleições 20 Fevereiro 2018

Trinta e três dias depois de Artur Silva ser nomeado primeiro-ministro, a Guiné-Bissau continua sem um novo Governo. O impasse político continua na Guiné-Bissau, com o novo primeiro-ministro incapaz de formar um novo Governo. Presidente remete-se ao silêncio.

Guiné-Bissau: Aumenta pressão para convocar novas eleições

Nenhuma das formações políticas com assento parlamentar, incluindo a do primeiro-ministro, o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), aceitou integrar um Executivo chefiado por Artur Silva. O PAIGC insiste na nomeação de Augusto Olivais. E, à semelhança do vencedor das últimas legislativas, os outros signatários do Acordo de Conacri, que prevê a nomeação de um primeiro-ministro de consenso, também estão contra a nomeação de Silva.

Aumenta, por isso, a pressão para convocar novas eleições: "As eleições são a única via para acabarmos com esta crise política e não estas as sanções injustas e ilegítimas!", afirmou Vítor Mandinga, ministro do Comércio do Governo demissionário, em nome dos partidos que apoiam o Presidente José Mário Vaz.

"Vamos todos, nas próximas eleições, escolher líderes que construam o Estado e que consolidem a Nação", acrescentou.

Mandinga é um dos 19 visados pelas sanções da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), devido ao arrastar da crise na Guiné-Bissau.

CNE "está preparada"

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) anunciou, entretanto, que "está tecnicamente preparada" para realizar eleições legislativas dentro do calendário, se for essa a decisão do chefe de Estado guineense.

"Tecnicamente é possível realizar eleições em 2018. Como sabem, é o Presidente da República que marca a data e aguardamos a sua decisão", disse o secretário-executivo da CNE, José Pedro Sambú.

C/DW África

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau