LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Cancelada reunião na Presidência para tentar ultrapassar impasse político 20 Mar�o 2018

A reunião na Presidência da Guiné-Bissau para tentar ultrapassar o impasse na formação do Governo do país, prevista para esta terça-feira, foi cancelada, confirmou hoje,19, à agência Lusa fonte da presidência.

Guiné-Bissau: Cancelada reunião na Presidência para tentar ultrapassar impasse político

Segundo a fonte, a reunião foi cancelada e «muito provavelmente poderá acontecer no decorrer desta semana».

Na passada quarta-feira, a pedido da sociedade civil, o Presidente guineense, José Mário Vaz, reuniu-se com representantes da sociedade civil, entidades religiosas, Partido da Renovação Social (PRS), grupo dos deputados dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), comunidade internacional e grupo das mulheres facilitadoras do diálogo para tentar encontrar um acordo para o impasse político que o país atravessa, mas sem resultados.

O encontro - prossegue a agência portuguesa de notícias - ficou marcado pela ausência do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), vencedor das legislativas de 2014, do Partido da Convergência Democrática (PCD), União para a Mudança (UM) e Partido da Nova Democracia, todos partidos com representação parlamentar e signatários do Acordo de Conacri.

No final da reunião, Braima Camará, do grupo dos deputados dissidentes do PAIGC, anunciou um novo encontro para terça-feira.

Conforme lembra a Lusa, a crise política na Guiné-Bissau continua num impasse e no final de janeiro o Presidente guineense nomeou um novo primeiro-ministro para o país.

Artur Silva é o sexto primeiro-ministro nomeado pelo Presidente desde as eleições legislativas de 2014, ganhas pelo PAIGC, mas a composição do seu Governo continua sem ser anunciada mais de 40 dias depois de ter tomado posse.

Empossado a 31 de janeiro, Artur Silva prometeu então, «para breve», um Governo integrado por todos os signatários do Acordo de Conacri, patrocinado pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para acabar com a crise política na Guiné-Bissau.

Na sequência da nomeação de Artur Silva, a CEDEAO impôs sanções a 19 individualidades guineenses, incluindo o Procurador-Geral da República, vários ministros do Governo demissionário e ao filho do chefe de Estado.

Para a Lusa, em causa está a aplicação e cumprimento do Acordo de Conacri.

O Acordo de Conacri foi rubricado em outubro de 2016 pelos cinco partidos com assento parlamentar, o líder do parlamento e o grupo dos 15 deputados expulsos do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

O país deverá realizar eleições legislativas ainda este ano. O chefe de Estado guineense já ouviu os partidos políticos sobre a data para a realização das eleições, mas ainda não anunciou a data da sua realização, conclui a Lusa.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau