LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Deputados dissidentes do PAIGC apela ao cumprimento do Acordo de Conacri 13 Outubro 2017

O grupo de deputados dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) da Guiné-Bissau, denominado grupo dos 15, apelou hoje,12, ao partido para o diálogo e para cumprir com o Acordo de Conacri.

Guiné-Bissau: Deputados dissidentes do PAIGC apela ao cumprimento do Acordo de Conacri

O grupo de deputados dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) da Guiné-Bissau, denominado grupo dos 15, apelou hoje,12, ao partido para o diálogo e para cumprir com o Acordo de Conacri.

Em conferência de imprensa, realizada em Bissau, e em comunicado distribuído aos jornalistas, os deputados pediram à direção do partido para "acionar mecanismos e medidas concretas e imediatas conducentes à reconciliação no sei da família do PAICG (vencedor das legislativas de 2014 na Guiné-Bissau), privilegiando o diálogo franco e sincero como única via para a saída da presente crise".

No comunicado, os deputados, que foram expulsos de militantes do PAIGC, depois de terem chumbado no parlamento o programa de Governo de Carlos Correia, insistem que a direção do partido deve cumprir os acordos de Bissau e Conacri em ´relação à reintegração incondicional dos dirigentes ilegalmente expulsos ou sancionados, bem como cessar imediatamente´ o que consideram ser ´afastamentos sumários e exclusões ilegais´ no partido.

Os deputados dissidentes propõem também a criação de uma comissão paritária entre a direção do PAIGC e do grupo dos 15 para iniciarem um diálogo para a ´reintegração daqueles deputados e de todos os dirigentes, responsáveis e militantes do partido, penalizados por se terem associado ou simpatizado com a causa dos 15 deputados expulsos do partido´.

No comunicado, os deputados dissidentes informam também a ´opinião nacional e internacional´ que o grupo dos 15 ´nunca reconheceu as sanções instrumentalizadas e ilegais impostas pelo Conselho Nacional de Jurisdição do PAIGC´.

O grupo salienta também que as sanções visaram correr com os ´adversários internos´ e ´implantar uma autocracia no seio do partido´ com vista ao reforço dos poderes do presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira.

No documento, os deputados dissidentes denunciam que Domingos Simões Pereira tem ´inviabilizado inúmeras tentativas de mediação, de facilitação, tanto no país, como no exterior, ou de diálogo aberto e franco entre as partes desavindas do partido, radicalizando-se profundamente em posições assumidas como categoricamente irreversíveis´.

O grupo voltou a sublinhar que continua aberto ao diálogo para uma ´verdadeira reconciliação´.

O grupo dos 15, coordenado por Braima Camará, que ficou em segundo lugar na corrida à liderança do partido, que foi ganha por Domingos Simões Pereira, entrou em rutura com a direção do PAIGC, tendo-se juntado ao PRS no parlamento para chumbar o programa de Governo do então primeiro-ministro, Carlos Correia.

O grupo dos 15 é um dos signatários do Acordo de Conacri, patrocinado pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e que prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado, bem como a reintegração daqueles elementos no PAIGC, entre outros pontos.

O atual Governo da Guiné-Bissau não tem o apoio do PAIGC, que ganhou as eleições legislativas de 2014. Fonte: Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau