LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Partidos sem assento parlamentar querem governo tecnocrata e apartidário e demissão do actual executivo 12 Julho 2017

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA) analisou hoje(11) a crise política na Guiné-Bissau, ao mesmo tempo em que cinco partidos extraparlamentares pedem a demissão do actual governo de Umaro Sissoco Embaló e a nomeação de um outro apartidário de iniciativa presidencial e com base no Acordo de Conacri.

Guiné-Bissau: Partidos sem assento parlamentar querem governo tecnocrata e apartidário e demissão do actual executivo

Segundo a RFI, nesta terça-feira (11/07), em Adis Abeba e na presença do primeiro ministro guineense Umaro Sissoco Embaló, o Conselho de Paz e Segurança da União Africana voltou a analisar a crise política na Guiné-Bissau.

Aconteceu que, neste mesmo dia, cinco partidos políticos sem assento parlamentar: Aliança Socialista Guineense - ASG, Movimento Democrático Guineense - MDG, Partido Social Democrata - PSD, Partido para a Liberdade Organização e Progresso - PALOP e Partido dos Trabalhadores - PT apresentaram uma proposta de saída de crise, com a constituição de um governo reconhecido pelo Presidente José Mário Vaz e pelos assinantes do Acordo de Conacri.

A fazer fé na mesma fonte, o grupo pede a demissão do governo de Umaro Sissoco Embaló e a nomeação de um governo de tecnocratas, sem filiação partidária, que teria como missão promover reformas na função pública, reformas a nível do quadro legal da República e ainda organizar as próximas eleições legislativas.

Já que não há entendimento para implementação do Acordo de Conacri, um governo de tecnocratas poderia ajudar a acabar com o impasse, segundo o porta-voz do grupo destes cinco partidos, Silvestre Alves, líder do Movimento Democrático Guineense, que apresentou as linhas gerais desse Governo.

"Vamos comprometer-nos todos a viabilizar um governo de tecnocratas...propomos que haja um gabinete de fiscalização, constituído por cinco elementos, eventualmente um por cada um dos partidos com assento parlamentar...eventualmente sete da Presidência da República...gabinete que teria prerrogativas para exigir a apresentação de um mapa de receitas e despesas a todo e qualquer departamento do Estado", disse o político citado pela RFI.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau