Retratos

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Jovino dos Santos lança mais um CD com forte intervenção social 10 Novembro 2017

O artista vicentino Jovino dos Santos lança, no próximo dia 16, no Centro Cultural do Mindelo, o seu mais recente CD. «Nesse mesma luta», como se designa, reúne 11 composições, dos quais se destacam temas de intervenção social como «Cafezim d’fim de semana» e o Cinema Eden Park. Para mais detalhes, leia a entrevista que se segue que o músico concedeu ao Asemanaonline.

Jovino dos Santos lança mais um CD com forte intervenção social

Quando vai ser lançado o novo CD?

- O lançamento do meu novo CD está previsto para o dia 16 de Novembro, às 21 horas, no Centro Cultural do Mindelo.

O que quer dizer com título «Nesse Mesma Luta» dado ao novo álbum?

- O título do álbum refere-se à luta que todos nós travamos no dia-a-dia. Quer como músico, quer como cidadão do mundo.

Quem editou o presente trabalho?

- Este trabalho foi ditado pela Associação “ NOS KU NHÔS”, cuja sede fica em Áustria. Todo o trabalho decorreu sob a direcção de KLAUS ZIMMERMAN.

E quantas composições fazem parte do novo álbum?

- O CD inclui 11 temas diversos sobre a nossa pequena sociedade mindelense cabo-verdiana. A composição «Cafezim de fin d’ semana» e outras já se encontram à venda através de plataformas digitais. Um desses sítios é AMAZON Etc : www.amazon,fr . É só descarregar.

Em termos de reportório, que ritmos ou géneros podemos encontrar no novo CD?

- O novo CD inclui 11 temas. Todos eles são temas que estão relacionados com a vida social que vivenciamos todos os dias. Abrangem géneros como sambas, coladeiras, baladas e outros estilos da música tradicional de CABO VERDE. As composições são quase todos da autoria de Jovino dos Santos – autor do álbum.

Qual é a principal novidade do presente trabalho discográfico?

- A presente obra musical distingue das outras porque, pela primeira vez, trabalhei com músicos residentes no MINDELO. O álbum foi produzido e gravado a 80 por cento aqui no Mindelo. Os restantes 20% da produção contaram com envolvimento de músicos com os quais trabalho no estrangeiro. São os casos de saxofonista OTTO PALMA da Colômbia, o violonista Daniel Misaine da Martinica. A mistura musical aconteceu em Paris e na Áustria.

Com o tema «Cafezin de fim d’ semana» (encontros com mulheres) está a lançar um olhar crítico sobre a vida social no Mindelo?

- Sim! O tema CAFEZIN DE FIM D’ SEMANA, é uma sátira da nossa nova vida na actual sociedade Mindelense, sobretudo para os que vivem e visitam a ilha. Muitas mulheres, dentro dessa MISÉRIA da TERRA e sem trabalho, tentam procurar uma forma para safar a vida difícil que se vive na ilha e criar os seus filhos, mantendo aqui e acolá relações sexuais com certos homens. E nós todos sabemos que o dinheiro não cai do céu - tem que aparecer de um jeito ou doutro através de um jovem ou um Tio. Daí a aposta de algumas mulheres no CAFEZIN DE FIM D’ SEMANA. É um tema musicalmente interessante.

O que se pretende evidenciar com a composição Cinema Eden-Park», que é uma composição de Luís Silva?

- Quanto ao Tema sobre o CINEMA EDEN PARK, o seu autor Luiz Silva pretende alertar a todos pelo facto de a cidade de Mindelo ficar sem esse famoso Cinema. Para nós que fomos habituados aos nossos filmes no saudoso EDEN PARK (Nostalgia obriga-nos a dizer certas coisas), ficamos indignados a ver a delapidação desse património histórico construído de S.Vicente, perante o silêncio cúmplice das autoridades.

Falando da sua carreira, quantos CDs já gravou até agora?

O meu primeiro trabalho gravado foi o EP com quatro títulos, que aconteceu em 1974, em Lisboa, com a Etiqueta ALVORADA. Foi um disco que me levou a ser conhecido junto do grande público. Isto porque esses temas eram na altura passadas regularmente na Rádio, onde eram seguidas com atenção pelos ouvintes. Hoje não se escuta músicas tradicionais na Rádio de Cabo Verde, o que é uma pena. Estamos a deixar certos programadores da Rádio a dar cabo da nossa Cultura, dando preferência a músicas que não têm absolutamente nada a ver com a nossa Cultura. Se estivessem ainda vivos, o que diriam o B.Leza e Eugénio Tavares?

Lembra quando iniciou a sua a carreira musical?

- Iniciei a minha carreira musical em 1974. Desde esta data e até hoje mantenho ligado à música. Gravei vários temas de sucesso como «SEMANA DENTE SEMANA FORA,CHIQUINHA, SANTINHA, NHA DISTINO,JÚLIA», entre outros temas. Mas tenho também feito composições para outras pessoas - «NHA CUMPADE FAUSTINO, EX-ILHAS», são algumas delas.

Como se sente enquanto artista?

Sinto-me bem como artista e músico. Só quero agradecer a todos aqueles que sempre me apoiaram, de uma forma ou outra “nesse mesma luta». É que o artista sem público não é nada. Aproveito para deixar aqui os meus agradecimentos a todos os meus fãs, assim como ao jornal “ A SEMANA ONLINE” pela divulgação desta entrevista. Espero que, com esta entrevista, as pessoas passem a me conhecer melhor e avaliar o contributo que venho dando para o desenvolvimento e a divulgação da música nacional no país e no estrangeiro.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau