ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Líder da CCSL contra-ataca governo sobre a greve da PN: Pronunciamento do primeiro-ministro é uma “bomba de Al-Qaeda lançada contra a Polícia Nacional” 04 Janeiro 2018

O líder da Confederação Cabo-verdiana de Sindicatos Livres ( CCSL) contra-ataca o Governo, reagindo assim contra as declarações do Primeiro-Ministro sobre a greve de três dias realizada pela Polícia Nacional. José Manuel Vaz comparou hoje,03, o pronunciamento de Ulisses Correira e Silva, de que a greve dos policiais foi um “atentado ao Estado do Direito Democrático”, a uma “bomba de Al-Qaeda lançada contra a Polícia Nacional”.

Líder da CCSL contra-ataca  governo sobre a greve da PN: Pronunciamento do primeiro-ministro é uma “bomba de Al-Qaeda lançada contra a Polícia Nacional”

Apesar de eventuais irregularidades alegadamente referidas sobre a manifestação realizada e do suposto evolvimento de um a gente da PN no assalto à agência do BCN na Boa Vista, esta declaração do chefe do Governo da República não caiu bem junto da opinião pública nacional. É que, fazendo fé nos comentários pelas redes sociais e espaços públicos, muitos descordam que o executivo tenha assumido praticamente uma posição de força contra a Policia Nacional, «que é uma importante instituição da República que trabalha, junto do Governo e de demais órgãos da soberania, para garantir a autoridade e segurança do Estado de Cabo Verde». Isto apesar de uma franja significativa da população ter expressado uma posição crítica sobre a forma (com batucadas e danças) como certos agentes comportaram-se durante as manifestações de rua, promovidas, segundo o governo e Câmara da Praia, sem a prévia autorização das entidades competentes.

Colocando-se do lado dos cerca de dois mil policiais associados no SINAPOL, o líder da CCSL corrobora, porém, o sentimento da opinião pública referida. Indo mais longe, José Manuel Vaz qualificou a declaração do Primeiro-ministro como sendo uma “bomba de Al-Qaeda lançada contra a Polícia Nacional”.

“Esperávamos um pronunciamento de diálogo, de aproximação, de entendimento e de negociações das reivindicações do Sindicato Nacional da Polícia (Sinapol) e não o lançamento de uma bomba de Al-Qaeda contra a Polícia Nacional”, precisou, segundo a Inforpress, José Manuel Vaz, acrescentando que a organização sindical que dirige e os policiais “rejeitam esta bomba”.

Al-Qaeda (“A Base”, em árabe) criada por Osama Bin Laden, em 1989,) é considerada uma organização terrorista formada, principalmente, por fundamentalistas islâmicos e árabes.

O líder da Federação Cabo-verdiana dos Sindicatos Livres (CCSL) fez estas declarações durante uma conferencia de imprensa, na Cidade da Praia, para se pronunciar, pela primeira vez, sobre a greve que o sindicato da Polícia Nacional convocou nos dias 27, 28 e 29 de Dezembro do ano findo.

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, ao referir-se, pela primeira vez, à primeira greve dos policiais na história dos 147 anos da Polícia Nacional, considerou-a “quase que um verdadeiro atentado ao Estado de Direito Democrático” que, segundo ele, resultou no “desrespeito pela requisição civil e em manifestações e confrontações ilegais”.

Segundo José Manuel Vaz citado pela Inforpress, a CCSL e o Sinapol estão “abertos ao diálogo e às negociações” para que sejam resolvidos os “problemas graves” que afectam a Polícia Nacional.

Manifestação e memorando assinado

Recuando no tempo e no espaço, o líder da CCSL lembrou que várias outras greves realizadas no passado em Cabo Verde, como a de professores, enfermeiros, funcionários das Alfândegas e da Direcção da Contribuição e Impostos, da Polícia Judiciária, dos agentes prisionais e dos oficiais de Justiça “não tiveram essa caracterização de atentado ao Estado de Direito Democrático”.

“Daí lamentamos profundamente a atitude e o comportamento do primeiro-ministro relativamente à greve da Polícia Nacional”, afirmou o presidente da CCSL, que esteve acompanhado do líder do Sinapol, José Barbosa, ajuntando que a sua confederação sindical “apoia e apoiará a greve dos polícias pelos motivos apresentados e que ainda não foram resolvidos”.

Para José Manuel Vaz, o comportamento dos agentes policiais e da direcção do seu sindicato merece “nota dez”.

“Em relação à organização da greve, foi uma organização excelente”, enfatizou aquele sindicalista, que também atribui uma “nota dez”, extensiva, de acordo com as suas palavras, a todos os policiais, de Santo Antão à Brava.

Segundo ele, pelos comentários que se ouvem da parte de juristas, economistas, políticos, governantes e cidadãos comuns, “os efeitos da greve foram positivos”.

“As reivindicações apresentadas pelo Sinapol são justas e constam do memorando de entendimento assinado com o Ministério da Administração Interna”, considerou José Manuel Vaz, que aproveitou para revelar aos jornalistas parte do conteúdo do documento rubricado entre as partes que, segundo ele, existe um ponto atinente à questão salarial, dizendo que “as partes acordam… no sentido de trabalhar com vista a uma actualização salarial para o ano de 2018, visando o aumento do índice 100”.

Para Vaz, o Sinapol “não inventou nada” em relação ao compromisso assumido em sede de negociações.

“Eu acompanhei esta negociação e, também, assinei em representação da CCSL”, revelou, advertindo para que “não se venha com conversas fiadas de que não há razões para estas reivindicações”.

Na sua perspectiva, “deve-se respeitar o compromisso assumido”.

Equiparação salarial e carta de condução

“Não podemos aceitar que o salário da Polícia continue como está neste momento”, declarou o primeiro responsável da CCSL, para quem o Ministério da Administração Interna “fez bem ao assinar o memorando com o sindicato”.

Defende que, pelo menos, os policiais “ganhassem o salário que aufere a Guarda Municipal ou o agente prisional, que é de 55 mil escudos”.

“Esta verdade tem sido escondida maldosamente para não se informar a opinião pública”, enfatizou, numa referência às remunerações na Polícia Nacional.

Quanto à carga horária na PN, considera que a situação é “gravíssima”.

“Os agentes da Polícia Nacional trabalham até 90 horas semanais e não lhes é pago um único centavo pelas horas a mais”, lamentou, defendendo que isto é “ilegal” e, por isso, vão lutar “até às últimas consequências” para que esta classe profissional passe a laborar o horário igual a todos os trabalhadores.

José Manuel Vaz vai ainda um pouco mais longe nas acusações às autoridades que, de acordo com as suas palavras, utilizam os policiais para “lavar carros dos directores e chefes de Esquadras”.

“Temos que acabar com isso e dar dignidade à Polícia cabo-verdiana”, avisou o líder da CCSL que denunciou casos de agentes a trabalharem gratuitamente nos “festivais, casamentos e baptizados”.

Relativamente aos policiais que também desempenham funções de condutor disse que não recebem nenhuma compensação por este trabalho.

“O ministério (da Administração Interna) não deu carta de condução a ninguém”, asseverou José Manuel Vaz, desafiando o ministro Paulo Rocha a provar em que lei consta a obrigatoriedade de os agentes conduzirem as viaturas da Polícia sem qualquer compensação. Prometemos trazer novos desenvolvimentos sobre esta greve da PN, que continua a dar que falar no país e no estrangeiro - um dos sindicados de Portugal apoiou o SINAPOL. C/Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau