POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Líder do PAICV preocupada com os “enormes desafios” e “acentuada desigualdade social” na ilha do Sal 08 Fevereiro 2018

O grupo parlamentar do PAICV terminou hoje,07, uma visita de dois dias à ilha do Sal, levando na bagagem uma série de preocupações relativamente aos desafios e à “acentuada desigualdade social” na ilha.

Líder do PAICV preocupada com os “enormes desafios” e “acentuada desigualdade social” na ilha do Sal

Depois de algumas visitas e ter contactado as forças vivas e representantes de diferentes instituições locais, a líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Janira Hopffer Almada, disse que a sensação é que existem “enormes desafios”, que acabam, entretanto, por ser “um pouco o espelho” daquilo que o país enfrenta.

“É preciso ter em conta as medidas de política para a habitação, para a saúde e educação, mas também as questões de acesso à água, electricidade (…) a própria questão da integração, tendo em conta a forte migração que vem ocorrendo de algumas ilha para o Sal, sem perder de vista a questão da segurança, sempre e cada vez mais actual”, observou.

Ao fazer esta leitura, Janira Hopffer Almada, para quem é preciso que as respostas sejam “mais eficazes e rápidas”, não é concebível, por exemplo, que se continue com o problema habitacional no Sal, com o programa Casa para Todos “desmantelado”, sem que este novo Governo, disse, “tenha ainda demonstrado qual a sua visão” para o deficit habitacional, no país e na ilha.

Debruçando-se ainda sobre os desafios, mencionou, por outro lado, o sector da educação, cuja capacidade de resposta, a seu ver, está “muito aquém” da capacidade de procura.

“É preciso dar respostas para essas necessidades, fundamentalmente do ponto de vista de habitação, educação e da saúde. A questão da segurança deve ser um desígnio nacional, um compromisso de todos os cabo-verdianos, partidos políticos e forças vivas, mas é preciso urgentemente actuar na prevenção, acautelou.

“Se nós não reforçarmos as políticas sociais, para reforçarmos a prevenção geral, reduzirmos as desigualdades e aumentarmos as oportunidades (…) dificilmente conseguiremos combater a insegurança e criminalidade apenas pela via da repressão”, disse.

A líder do maior partido da oposição, segundo a qual governar é priorizar, concluiu referindo que “não é concebível, possível, continuar a governar Cabo Verde apenas com medidas desgarradas”, apresentadas “de forma isolada, sem que uma visão” tenha já sido delineada para garantir “mais prosperidade” a Cabo Verde e aos cabo-verdianos. Fonte: Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert

Uhau

Uhau
Copyrights 2009 ASemana Online | Crédito: AK-Project