CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Municípios de Santa Catarina de Santiago, Cova Figueira e Ribeira Brava: Mais de um terço da população vive na pobreza 17 Dezembro 2017

A taxa de pobreza nos Concelhos de São Santa Catarina de Santiago, Santa Catarina do Fogo e da Ribeira Brava de São Nicolau ultrapassa um terço das suas populações residentes em 2015. Uma cifra que representa 38,2%, 36,2% e 33,4%, respectivamente, segundo os dados recentemente divulgados pelo Instituto Nacional das Estatística de Cabo Verde (INECV).

Municípios de Santa Catarina de Santiago, Cova Figueira  e Ribeira Brava: Mais de um terço da população  vive na pobreza

O estudo realizado pelo INECV é de âmbito nacional e mostra que dos três concelhos de Cabo Verde, Santa Catarina de Santiago é o que apresenta maior taxa de pobreza, com 38,2% da sua população. Segue na mesma linha, o concelho de Santa Catarina do Fogo (36,2%) e depois a Ribeira Brava de São Nicolau com 33,4%.

Condições de vida das populações

Dos 11.521 agregados familiares residentes em Santa Catarina de Santiago, 87,3% tem acesso à electricidade, 51,2% possui casa de banho, 66,1% tem água canalizada, 35,9%% usa contentores para evacuação do lixo, 51,2% usa lenha para cozinhar e 45,5% usa gás para a confecção das refeições.

Já no concelho do mesmo nome, na ilha do Fogo, esses mesmos dados apontam que o cenário é bem diferente. Ou seja, 87,3% dos seus 1.151 agregados familiares tem acesso a electricidade, 87,7% dispõe casa de banho, 71,3% possui água canalizada, 63,1% utiliza contentores para evacuação do lixo, 49,2% usa lenha para cozinhar e 49,2% utiliza gás na preparação das refeições.

Dos três concelhos do país em análise, o documento revela que as condições de vida das famílias de Ribeira Brava de São Nicolau são melhores. Tudo para dizer que dos 2.423 agregados familiares, 96,6% tem acesso à electricidade, 83,4% possui casa de banho, 87,2% tem água canalizada, 87,2% usa contentores para a evacuação do lixo, 7,0% usa lenha para cozinhar e 90,7% usa gás para a confecção das refeições.

Acesso às TIC

O estudo do INECV aponta ainda um crescimento significativo no percentual de acessos às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos domicílios destes concelhos, em comparação aos espaços públicos. Neste âmbito, a mesma fonte mostra que, no ano transacto, cerca de 68,6% da população do Concelho de Santa Catarina de Santiago tinha televisão, 18,1% dispunha de telefone fixo, 25,2% tinha computador e 68,6% possuía tablet.

Ja, segundo o relatório recentemente divulgado pelo INECV, dos 52.82 residentes no Concelho de Santa Catarina do Fogo, cerca de 69,7% tinha televisão em 2016, 36,1% estava com telefone fixo, 24,2% tinha computador e 23% dispunha de tablet.

Para o Concelho de Ribeira Brava em São Nicolau, a taxa da população com acesso às TIC é maior, se for comparada com os outros concelhos atrás referidos. Isso, para infiromar que 87,5% da sua população residente (7.108) tinha televisão no ano de 2016, 36,1% tinha telefone fixo, 33,4% tinha computador e 16,6% estava com tablet.

Educação e analfabetismo

Em 2016, o relatório do INECV indica que mais de mais de 83% das populações desses três concelhos em análise foi alfabetizada, que se distribui em quatro níveis de instrução. Nesta óptica, o documento refere que 83,8% da população de Santa Catarina de Santiago, com idade superior a 15 anos foi alfabetizada, sendo ao nível da alfabetização (0,8%), ensino básico (40,5%), Secundário (45,4%) e nível superior (8,3%). Entretanto, neste mesmo concelho regista-se uma taxa de 10% de pessoas que nunca frequentou o estabelecimento de ensino.

Referindo-se ao Concelho de Santa Catarina do Fogo, o estudo revela que a taxa de alfabetização da população residente em 2016 foi de cerca de 84,2%, distribuída para os seguintes níveis: alfabetização (5,7%), ensino básico integrado (52,8%), secundário (34%) e superior (2,4%), isto sem esquecer que 8,9% dos residentes nunca frequentou alguma instituição de ensino.

Mas os números não ficam por aí. De acordo com o relatório do INECV, na Ribeira Brava de São Nicolau foi registada uma taxa de alfabetização na ordem dos 90,7%. Isso, respeitante aos residentes com idade superior a 15 anos. Para o nível de alfabetização houve uma taxa de 0,0%, para o básico (62,5%), secundário (31,9%) e para o superior (3,7%). Concluiu ainda o estudo do INECV que 9,2% da população do concelho nunca chegou a estudar.

Pobreza em Cabo Verde

Entretanto, 35% de populaçao de Cabo Verde é pobre. A conclusão foi avançada pelo Instituto Nacional de Estatística no III Inquérito às Despesas e Receitas Familiares referente ao período entre 2014-2015.

Conforme a mesma fonte, ao todo, a população pobre, em Cabo Verde, é de 179.184 pessoas. O relatório do INECV precisa que 53% dos pobres são mulheres, que residem em meios urbanos. A maioria está na ilha de Santiago (58%) e 21% dos pobres reside na cidade da Praia. E 44% das famílias consideradas pobres são monoparentais e 61% vive em agregados familiares com mais de seis pessoas.

Ou seja, os valores da pobreza em Cabo Verde diminuíram em relação a 2007 e a 2002 – quando a pobreza atingia valores de 46,4% (2007) e de 57,5% (2002).

Quanto à pobreza extrema, a tendência é também de decréscimo. Avança o INE que 10,6% das pessoas declaradas como pobres vivem numa situação de pobreza extrema, refere o estudo do INECV que vimos citando.

Celso Lobo

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau