DESPORTO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Nando à caça de talentos de futebol em Cabo Verde 08 Setembro 2015

O ex-capitão da selecção nacional, Nando, quer levar talentos para jogar no exterior. Depois de terminar a sua carreira em Maio deste ano ao serviço do FK Pribram, da República Checa, aos 37 anos, o atleta pretende dar um novo rumo à sua carreira desportiva e ajudar outros jovens a seguir os seus sonhos no futebol. Nando já deu os primeiros passos: intermediou as transferências de Martin Zeman (Sion), Doudjeman Danion (Lens) e Milan Skoda (Slavia Praga). De férias na sua ilha natal, São Vicente, o ex-internacional cabo-verdiano falou com o asemanaonline sobre o seu novo projecto.

Nando à caça de talentos de futebol em Cabo Verde

"Em Cabo Verde temos jovens que são extremamente talentosos. O meu objectivo passa por ajudar estes jovens a sair para clubes no estrangeiro. Da mesma forma que tive a minha sorte, espero encontrar um jogador com um bom talento para levá-lo para fora", diz Nando. Mas de momento os campeonatos nacionais estão parados, o que dificulta o trabalho, porque não consegue ter contactos e observar os jogadores, conta.

"Só por ver como um jogador anda ou toca na bola, já se consegue saber se é bom ou não", diz o ex-capitão da selecção nacional. Mas isso não chega para ter sucesso no mundo desportivo, pois é preciso ter “cabeça, ser forte mentalmente para se vincar como profissional”.

A ideia de ser agente

O atleta conta que a ideia de agenciar jogadores surgiu na República Checa, quando decidiu ajudar o colega Martin Zeman a transferir-se para o Sion. Zeman é referenciado por Nando como uma jovem promessa. “Entrei em contacto com um antigo treinador meu em França e disse-lhe que tinha um jovem com imenso talento. Ele respondeu-me que o campeonato estava parado e que só na abertura do mercado poderia levá-lo para avaliação".

A partir dessa altura, Nando diz que se sentiu motivado a seguir adiante nesta nova fase da sua carreira futebolística. "Mandei um vídeo do Zeman e eles interessaram-se logo. Ele nem fez os testes e assinou um contrato de três anos com a formação francesa", conta. Depois de Zeman, também já agenciou mais dois jogadores: Doudjeman Danion (Lens) e Milan Skoda (Slavia Praga).

De momento a sua atenção vira-se para identificar jovens promessas no mercado nacional. A ideia é trabalhar com eles o processo de internacionalização. É algo que diz não ser uma tarefa fácil, visto que é preciso ter suficiente maturidade para ter sucesso nessa área.

"É possível viver do futebol. Temos tempo para fazer tudo, desde sair, divertir, entre outros. Mas há um momento em que temos que nos concentrar no nosso trabalho, pois a nossa vida no mundo do futebol é curta". E é neste sentido que é preciso saber aproveitar as oportunidades que surgem, salienta.

O ex-futebolista avalia de forma crítica as oportunidades desperdiçadas por algumas das promessas do futebol cabo-verdiano. E Nando sabe do que fala pois já foi ajudante de calceteiro em São Vicente — algo de que, segundo diz, não tem nenhuma vergonha de falar —, mas conseguiu trilhar como jogador profissional.

Odair Cardoso

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau