POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

OGE 2018: UCID propõe menos gastos e mais atenção à área social 18 Julho 2017

A UCID quer ver os gastos públicos a diminuir e o estado a dispensar maior atenção à área social no OGE de 2018. Estas foram algumas das preocupações que a delegação do partido liderado por António Monteiro apresentou ao governo, durante a audiência que o Ministro das Finanças, Olavo Correia, a concedeu, no último fim-de-semana.

OGE 2018: UCID propõe menos gastos e mais atenção à área social

OGE 2018: UCID propõe menos gastos e mais atenção à área social

A UCID quer ver os gastos públicos a diminuir e o estado a dispensar maior atenção à área social no OGE de 2018. Estas foram algumas das preocupações que a delegação do partido liderado por António Monteiro apresentou ao governo, durante a audiência que o Ministro das Finanças, Olavo Correia, a concedeu, no último fim-de-semana.

Do leque das preocupações principais da UCID, consta ainda o combate à pobreza. Monteiro pediu um aumento das pensões para os mais carenciados, mediante análise das possibilidades dos recursos. Pediu igualmente atenção aos pensionistas do INPS, que atualmente dispõem de “pensões inferiores ao salário mínimo”.

Mas as propostas dos democratas cristãos não ficaram por aí. A habitação social também constou da agenda da UCID. Por isso, o líder do partido defendeu ser urgente procurar soluções, em parceria com os Municípios.

A unificação do país é outra das preocupações levadas à discussão no quadro da preparação do OE2018, acontecendo o mesmo com
a ligação entre as ilhas. António Monteiro exigiu particular atenção aos transportes marítimos. Cobrou do Executivo medidas, que passam, no seu ponto de vista, pela criação de “condições para que os privados tenham acesso a linhas de crédito para investirem em navios adaptados aos mares de Cabo Verde. Isto é fundamental para regar mais riqueza e fazer crescer a economia”, enfatizou, sem deixar de apontar reservas quanto ao modelo encontrado para os transportes aéreos no domínio doméstico – o caso do polémico negócio com a transportadora BINTER.

A UCID manifestou, por outro lado, a necessidade quanto à diversificação da nossa economia. Defendeu uma “forte aposta” na indústria ligeira e de transformação (agrícola e pescado), em complemento ao turismo. Diz esperar algum “um sinal” do Governo neste campo já no OE 2018. Outra inquietação que a UICD trouxe à discussão para o próximo Orçamento foi a adequação do sistema educativo, de modo a responder às necessidades do país e à abertura à competitividade dos nossos jovens, à escala global.

O NOSI, cuja rede tecnológica do Estado funciona deficitariamente, foi outra inquietação levada pela UCID ao ministro das Finanças. Defendeu tratar-se do “coração da Administração Pública”, e uma peça fundamental para os privados. A pensar nisso, aconselhou a alocação de recursos necessários para que o NOSI desempenhe o seu papel de suporte tecnológico ao país.

Já o Ministro das Finanças, Olavo Correia, manifestou o seu agrado em receber as propostas da UCID e garantiu prestar a atenção máxima às mesmas.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau