OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

País mágico a Venezuela de Maduro 03 Agosto 2017

Vai a votos, como é próprio nos países ditos democráticos, desde a primeira potência mundial até a mais pequena nação? Mas sobre a Venezuela, que rompeu com os caminhos rasgados por outros e procura criar o seu próprio, tudo o que lá acontece é noticiado. Com factos, certo, mas aureolados com toques de magia. Realismo mágico, pois.

Por: Alexandres Soares

País mágico a Venezuela de Maduro

É tudo uma ilusão: ora frase inteira ora expressão ainda por preencher. ‘É tudo uma ilusão’ geralmente significa que a realidade não está a ser vista com olhos de ver. Ou melhor vemos o que nos dá a ver o Houdini.

O mágico a sair de uma caixa onde foi encerrado com cadeados. Ele a quem deixamos que nos faça ver essa e demais ilusões: a mulher serrada ao meio, o atirador acertando o alvo e de olhos mais que cerrados vendados com negro pano.

Acompanhando a cobertura mediática que se está a fazer da Venezuela, vê-se que há muitos Houdinis em ação e nós felizes com isso. Explico: somos os espetadores (N.B.: o meu ‘c’auto-apagado!) iludidos e felizes, como sempre perante uma boa atuação do mágico.

Tudo o que lá acontece ultrapassa o real. Os hábitos de outras paragens tornam-se aqui costumes exóticos. E, em conformidade, o que é a norma alhures vira aqui lances extraordinários. Se numa padaria em Paris ou outro ponto do “Hexagone” vemos em hora de ponta pessoas a fazerem filas para comprarem a sua ‘baguette’, isso é o normal quotidiano.

Mas se o mesmo acontecer numa padaria em Caracas ou outro ponto do território venezuelano, vira manchete. Torna-se a prova brandida no tribunal dos rankings para classificar o país como subdesenvolvido.

Se em Paris, Lisboa, N.York, Praia, espertalhões nos enganam de alguma forma nas transações económicas, isso é algo de que falamos a ferver para no minuto seguinte esquecermos enquanto que lá os espertalhões viram corruptos nas mais altas instâncias daquela nação.

Abrimos a rádio e o noticiário fala dos milhões congelados do Maduro. O Tump chegou agora e o Maduro que já lá estava e já conhece toda a cartilha da guerra geoestragégica não se precaveu mandando retirar os multimilhões antes de dar o passo que iria ditar o “congelo”?

Ora, ora diria, na praia de ver partir, o Velho do Restelo, que vã cobiça é essa que nunca mais aprende, 519 anos depois de eu me esgargantar na partida das caravelas antes de haver aqui cais?

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau