NOS KU NOS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Praia Capital: Notas da História 19 Maio 2017

Neste feriado municipal celebramos o 248º ano da elevação da Praia a concelho: foi tornada concelho em 1769, por transferência da antiga cidade da Ribeira Grande — pirateada por franceses e ingleses. Aproveitamos o ensejo para apresentar as notas históricas da professora Cláudia Correia, relativas a uma etapa da capital de Cabo Verde: a sua elevação a "Cidade da Praia", pois que antes era só Vila de Santa Maria, ou Vila da Praia, ou Vila da Praia de Sant’Iago.

Por: Cláudia Correia

Praia Capital: Notas da História

A elevação à cidade

 
A 29 de Abril de 1858, por Decreto assinado pelo Visconde de Sá da Bandeira, Ministro e Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, a Vila da Praia da ilha de Santiago de Cabo Verde seria elevada à categoria de Cidade com a denominação de “Cidade da Praia de Santiago”, tendo em “consideração o grande aumento que modernamente tem tido a Vila da Praia (…), assim em população e edifícios, como no desenvolvimento do seu comércio, em grande parte, resultado da produção agrícola da mesma ilha”. B.O. nº29, Ano 1858, Junho 14 

Os primeiros passos...

1664, Setembro, 23, Lisboa
 

Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Afonso VI sobre carta do governador de Cabo Verde, António Galvão, dando conta da missão de serviço que fez à vila da Praia e da discordância que achou do lugar onde foi edificada a cidade [da Ribeira Grande de Santiago] quando comparado com as vantagens que oferecia a vila da Praia; informando da localização privilegiada e os benefícios naturais do lugar onde foi fundada a povoação; sobre a capacidade e natureza do seu porto de mar em receber navios de grande porte e em escala para o Brasil, o que exige, por ser amplo e abrigado, recortado entre duas pontas a partir do ilhéu, garantir o seu apetrechamento com fortificações para melhor defender o desembarque de inimigos; acerca da segurança defensiva que ali montou com a construção de baluartes e fortificações; e sobre a organização e capacidade de defesa que existem na vila da Praia, à igreja [Nossa Senhora da Graça], a cargo do seu capitão-mor, António de Barros Bezerra.

Obs.: Catálogo da exposição em Cabo Verde, 1975, nº73; anexo: carta.
AHU-Cabo Verde, cx. 5 – A, doc.181 e 166 
AHU_CU_024, Cx. 5, D. 388.

História a partir da Praia de Santa Maria 

Ao longo de toda a sua história, a cidade da Praia, aparece sempre grafada como Vila de Santa Maria ou mais esporadicamente, “capitania de Santa Maria da Praia” o que acontece, por exemplo, no ano de graça de 1572.

A cidade desenvolveu-se a partir da praia de Santa Maria,centro da baía, recortada entre a Ponta da Mulher Branca e a Ponta Temerosa. Importante pela sua posição geoestratégica, servia de porto de abrigo às embarcações que nela aportavam oferecendo água, dos poços do Pacheco de Santa Ana que ficavam a pouca distância da baía da Praia de Santa Maria, e mantimentos à tripulação dos navios.

A importância da povoação que aqui se desenvolveu começa com a decadência da Cidade da Ribeira Grande e dos Alcatrazes e com a consequente deslocação dos seus moradores para a localidade da Praia. Durante o séc. XVI, esta povoação que se concentrava no pequeno planalto, conhece um crescimento notório contando já em 1528, com uma câmara em funcionamento e dirigida por um capitão e governador da justiça tendo-lhe sido atribuído o estatuto de Vila de Santa Maria.

A partir do séc. XVIII, passa a ser a sede oficial do bispado e do governador com a transferência da capital da Cidade da Ribeira Grande para a Vila da Praia de Santa Maria. Novas casas e novas infraestruturas são construídas somando-se as já existentes como a Igreja de Nossa Senhora da Graça, a Casa da Câmara e a Cadeia provisória.

As casas começam a ser cobertas de telha e assiste-se ao alinhamento e calcetamento das ruas sendo a primeira, a rua do Corvo, bem como a canalização do Monteagarro, alcançando alto grau de desenvolvimento urbanístico em 1822 a 1826 com o Governador João da Mata Chapuzet que mandou alinhar e calcetar as ruas, abrir os calçados e largos, incentivando os moradores a cobrir as suas casas de telha e a caiaras paredes.

Muito embora as tentativas de transferência da capital para outras ilhas e para o interior da ilha de Santiago, já no segundo quartel do séc. XIX, a vila da Praia conhece melhoras significativas com a construção do Hospital da Misericórdia, da Casa da Câmara, do projecto de construção da torre do relógio e da ligação do ilhéu de Santa Maria à Vila com a construção do porto.

Trinta anos à espera de ser cidade

Em 1826 os moradores, proprietários, negociantes e funcionários públicos já solicitavam à Coroa a elevação da Praia à categoria de Cidade, passando a ter o nome de “Cidade Imperial de Bragança”.

Contudo e apesar dessa solicitação, a Vila da Praia esperaria 32 anos para ser agraciada com o título de Cidade.

Enfim, a 29 de Abril de 1858, por Decreto assinado pelo Visconde de Sá da Bandeira, Ministro e Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, a Vila da Praia da ilha de Santiago de Cabo Verde é erigida à categoria de Cidade com a denominação de “Cidade da Praia de Santiago”. O diploma justificava a promoção nos seguintes termos: tendo em “consideração o grande aumento que modernamente tem tido a Vila da Praia (…), assim em população e edifícios, como no desenvolvimento do seu comércio, em grande parte, resultado da produção agrícola da mesma ilha”. (B.O. nº29, Ano 1858,Junho 14).

As obras públicas, a consequente reestruturação e novas infraestruturas então criadas, bem como o progresso material dos seus habitantes, haveriam de servir de base para que a pequena cidade do planalto com três ruas e seis becos se integrasse numa nova etapa histórica — a História da Cidade da Praia. 

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau