NOS KU NOS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Presidente ICIEG: Número de denúncias sobre Violência Baseada no Género no País aumentou 13% 26 Novembro 2017

As denúncias sobre Violência Baseada no Género (VBG) aumentou 13 % no primeiro semestre de 2017, revelou a presidente do ICIEG, Rosana Almeida que considerou que os dados demonstram que a população está mais consciencialização sobre essa problemática.

Presidente ICIEG: Número de denúncias sobre Violência Baseada no Género no País aumentou 13%

Os dados foram divulgados pela presidente do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e a Equidade de Género (ICIEG), hoje,25, na Cidade da Praia, durante o acto central da comemoração do Dia Internacional da Violência contra Mulheres e Meninas, este ano sob o lema “Não deixar ninguém para trás: acabar com a violência contra as mulheres e meninas” e da abertura oficial da campanha 16 dias de activismo, denominada “UNA-SE”, que decorreu na Escola Secundária Manuel Lopes, Calabaceira.

Segundo avançou a presidente do ICIEG, os dados comparativos de Violência Baseada no Género (VBG) no primeiro semestre deste ano indicam que a ilha do Maio foi o concelho onde se registou o maior número de denúncias sendo que houve um aumento de 200%, face ao período homólogo de 2016 (5 para 15), seguido do Paul com 120% (5 para 11) e Santa Catarina do Fogo com 100% (13 para 26).

Os dados revelam ainda que em Santa Catarina do Fogo houve um aumento de 56% (14 para 32), seguido de Tarrafal de Santiago e Ribeira Grande de Santiago com 50 % (30 para 45), (2 para 3).

Por outro lado, os municípios onde ocorreram o menor número de denúncias, são Ribeira Brava em São Nicolau com (-58%), Tarrafal de São Nicolau com (-57%), Santa Catarina de Santiago com (-56%), São Salvador do Mundo com (-50%), Sal com (-36%), São Lourenço dos Órgãos com (-33%) e São Miguel com (-28%).

Para a presidente do ICIEG, este aumento de 13 % é um sinal “positivo” e demonstra que a população cabo-verdiana está hoje mais consciencializada com essa problemática que afeta mulheres e meninas em Cabo Verde.

“Estamos a trabalhar com o Ministério da Administração Interna num sistema que irá permitir fazer denúncia na hora e, onde a denúncia vai ser articulada automaticamente com a Procuradoria Geral da República e os Hospitais”, disse Rosana Almeida que assegurou que brevemente os dados sobre VGB estarão disponíveis numa plataforma online.

Na ocasião, adiantou que o ICIEG já apresentou às autoridades competentes duas propostas onde recomendam que o crime de Violência Baseada no Género seja resolvido num período de 48 horas, e delitos relacionados com a divisão de bens e a questão da paternidade tenham uma resposta em 48 horas de acordo com a lei.

“Precisamos de afectação de mais magistrados, juízes para a VBG porque se trata de uma causa nacional e que merece uma resposta urgente”, reconheceu Rosana Almeida que realçou a importância dessas propostas na mudança do cenário nacional.

No seu ponto de vista, é preciso actuar para mudar comportamento e para a mudança dessa abordagem é preciso intervir junto do público alvo que é são os jovens e os adolescentes sendo que as escolas têm de ser promotoras de igualdade de género.

A campanha de 16 dias de activismo que teve o seu início hoje na Escola Secundária Manuel Lopes, Calabaceira, continua até 10 de Dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos com várias actividades que visam unir as vozes das mulheres e meninas pelo fim da violência no país.

Promovido pelo Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e a Equidade de Género (ICIEG) em parceria com ONU Mulheres, a cerimónia foi presidida pela ministra da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal em presença da coordenadora da ONU-Mulheres em Cabo Verde Vanilde Furtado. Fonte: Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau