ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Privatização da TACV: SATA admite "avaliar todas as hipótese" de parceria com transportadora cabo-verdiana 05 Junho 2017

O presidente do Conselho de Administração da SATA, Paulo Menezes, manifestou, hoje(03), interesse numa parceria com os TACV, admitindo avaliar "todas as hipóteses", incluindo a entrada no capital da companhia aérea cabo-verdiana.

Privatização da TACV: SATA admite

"A SATA está interessada em avaliar com os TACV, com o Governo de Cabo Verde e com o Governo dos Açores todas as hipóteses", disse Paulo de Menezes, quando questionado sobre a possibilidade de entrada no capital da empresa africana.

O Governo cabo-verdiano tem em elaboração um plano de reestruturação para privatização da operação internacional da companhia pública Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), tendo acordado, por outro lado, com a Binter Cabo Verde a cedência das rotas domésticas a partir de agosto.

O presidente do conselho de administração do grupo açoriano SATA falava hoje aos jornalistas, na cidade da Praia, à chegada do voo inaugural que passará a ligar Cabo Verde e os Açores, com extensão a Boston, nos Estados Unidos, e a outros destinos europeus e norte-americanos para onde voa atualmente a SATA.

Paulo Menezes, que foi recebido no aeroporto Nelson Mandela, na cidade da Praia, pelo ministro das Finanças, Olavo Correia, em representação do Governo cabo-verdiano, deverá manter em breve reuniões com as autoridades cabo-verdianas para analisar o assunto.

"É um assunto que temos que estudar. Vamos estudar com o Governo e com os TACV. Temos condições para avaliarmos uma parceria estratégica desde logo pela via da nossa operação, mas essa parceria pode ser estendida a outras áreas. Vamos ver", disse Paulo Menezes.

Por seu lado, o ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, reafirmou que o Governo está a avaliar várias opções relativamente ao futuro da TACV.

"Registamos o interesse da SATA para abordar o assunto da TACV. É uma questão que futuramente estará na agenda", disse Olavo Correia.
Questionado sobre o eventual interesse de outras empresas portuguesas, nomeadamente a Euroatlantic, do grupo Pestana, na privatização da TACV, Olavo Correia, escusou-se a responder.

"O segredo é a alma do negócio. Temos vários interessados, estamos a analisar, estamos focados na construção de uma solução e brevemente teremos a solução para comunicar aos cabo-verdianos", disse.

Proposta de Euroatlantic e Macaronésia

Em declarações à agência Lusa, fonte da Euroatlantic, apontada pela imprensa local como uma das empresas na corrida à compra da TACV, adiantou que a empresa não está a negociar nenhum dossiê relacionado com a privatização da companhia aérea cabo-verdiana.

A mesma fonte lembrou, no entanto, e sem avançar detalhes, que a administração da Euroatlantic apresentou uma proposta de parceria à anterior administração da TACV, tendo ambas as entidades chegado a assinar um memorando.

Olavo Correia assinalou ainda "o enorme potencial turístico e económico" da nova rota aérea com os Açores e o contributo para o reforço das relações "no quadro da Macaronésia", assegurando o apoio do Governo à companhia açoriana.

"Estamos a melhorar a oferta para Cabo Verde. Vai ser mais fácil ligar Cabo Verde aos Estados Unidos através deste voo e é muito importante para Cabo Verde aumentarmos a escala e termos ligações com a nossa diáspora e com o mundo com uma oferta competitiva ao nível dos preços", disse.

Paulo Menezes sublinhou, por seu lado, que a ligação com Cabo Verde faz parte da estratégia da SATA de "criar uma porta de entrada entre os Açores, a Macaronésia (Açores, Madeira, Canárias e Cabo verde) e os dois lados do Atlântico".

A Azores Airlines, do grupo açoriano SATA, prevê efetuar um total de 104 voos por ano entre Ponta Delgada (ilha de São Miguel) e a cidade da Praia, em Cabo Verde, com duas frequências semanais no verão e uma no inverno, disponibilizando no total 16.640 lugares. Fonte Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau