POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Queda da CPR de Santiago Sul do PAICV: Seis 1ºs Secretários dizem-se solidários para com os demissórios e a presidente Janira Hopffer Almada 13 Julho 2017

«Mesmo estando consumado o acto de destituição por força e razão de o órgão já não reunir as mínimas condições para o seu funcionamento, enquanto porta-voz do colectivo de seis Primeiros Secretários de Sector - de um total de sete -, entendemos ser de justiça manifestar total solidariedade para com os demissionários da Comissão Política Regional de Santiago Sul ( CPRSS), solidariedade essa extensiva à Presidente do PAICV, Dra. Janira Hopffer Almada, bastas vezes, acusada pelo ex- Presidente da CPRSS de ter pressionado os membros do órgão a se demitirem». Foi desta forma como seis dos sete 1ºs Secretários de Sectores da Região Política de Santiago do partido reagiram, nesta quinta-feira em conferência de imprensa realizada na Paria, à crise política que dita a queda da liderança de Nelson Centeio na área metropolitana da capital cabo-verdiana.

Queda da CPR de Santiago Sul do PAICV: Seis 1ºs Secretários dizem-se solidários para com os demissórios e a presidente Janira Hopffer Almada

Para o porta-voz do encontro, a acusação feita à presidente do maior partido da oposição é completamente infundada e desprovida de todo e qualquer sentido. «Ninguém foi manipulado e nem poderia sê-lo num Partido como o PAICV, de Esquerda democrática e progressista e que preza, em qualquer circunstância, a máxima Cabralista: andar com os próprios pés e pensar com as próprias cabeças.”

Diante daquilo que considera ser o indesejável acidente de percurso, o grupo dos seis defende que «é hora de os militantes arrepiarem o caminho, confiantes na Direção do Partido e firmes nas atitudes em prol da consolidação da actual liderança», por um PAICV forte e positivo. « Com Cabo Verde, sempre, em primeiro lugar, apelamos a todos os militantes, amigos e simpatizantes do PAICV a recentrarem o foco na luta pela imposição de sentido em relação ao nosso principal adversário político-MpD- que, sem dúvida, está fora do nosso Partido», faz questão de realçar o colectivo de dirigentes.

Explica o porta-voz da conferência que é dado assente que as decisões de 13 dos 18 Membros da Comissão Política Regional de Santiago Sul (CPRSS) de apresentarem os seus pedidos de demissão ao Órgão Jurisdicional do Partido (CRJF), ditaram a queda do Presidente da CPRSS, Nelson Centeio. A mesma fonte sustenta que os verdadeiros motivos da tomada deste posicionamento não têm qualquer relação com “a instigação dos Membros da CPR, sob propostas ética e democraticamente reprováveis, pela Presidente do Partido, no sentido de criar instabilidade a nível do funcionamento da CPRSS”, como, se tentou fazer crer, através da Comunicação Social.

Razões da derrocada da CPRSS

Referindo-se às principais razões que estiveram na origem da derrocada da liderança de Nelson Centeio, o elenco de seis dirigentes de sectores destaca a falta de coordenação entre o Presidente e os Vices na preparação prévia das reuniões da CPRSS, originando alongadas e desnecessárias discussões para a aprovação da Ordem do Dia e o desenrolar de reuniões serenas e profícuas. Aponta ainda substituições dos membros da CPR à revelia dos Estatutos do Partido e recusa em aceitar o veredicto das urnas, quanto à eleição de alguns Primeiros Secretários de Sector e Secretários Coordenadores de Grupos de Base.

Tendo tomado conhecimento desses focos de tensão através de reclamações e preocupações levantadas por diversos militantes, revela que a líder do PAICV chegou a convocar um encontro com todos os membros da CPRSS, no dia 15 de Junho, no sentido de debelar a situação e otimizar o funcionamento do Órgão. «Só que por motivos bem conhecidos a reunião terminou sem que se chegasse a qualquer entendimento plausível, muito por culpa das atitudes grosseiras, injuriosas e de arrogância extrema protagonizadas pelo Presidente da CPRSS para com a Líder do PAICV, o Secretário-Geral do Partido e os demais presentes na Sala. Na ocasião, chegou até a arrogar-se como único fiel intérprete dos Estatutos do PAICV», avança o grupo dos sete, concluindo que «este comportamento, a todos os títulos, afrontoso e reprovável, foi a gota que fez transbordar o copo». Espera-se agora pela resolução da crise, que passará pela eleição de uma nova Comissão Política Regional de Santiago Sul do maior partido da oposição.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau