ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Questel-Bronq Resort recebe primeiros hóspedes 21 Junho 2016

O empreendimento “Questel-Bronq Resort”, na zona litoral da Cruzinha da Garça na freguesia de São Pedro Apóstolo, concelho da Ribeira Grande de Santo Antão, abre no próximo dia 29 para receber os seus primeiros hóspedes. Trata-se de um investimento global de 50.636 contos do emigrante Elbano “Beni” Matias dos Santos, que tinha um sonho de infância de ter uma casa perto do mar, mas foi desafiado por turistas que fazem trecking na ilha de Santo Antão a oferecer-lhes um lugar de acolhimento. Nascia então o Questel-Bronq Resort.

Questel-Bronq Resort recebe primeiros hóspedes

Ao Cifrão, Beni conta que comprou um terreno para construção de uma casa para residir com a sua família, na zona de Cruzinha. Entretanto, durante a construção, muitos turistas que visitavam a localidade fazendo «trecking» perguntavam-lhe se estava a construir um hotel. “Animado, decidi arriscar, mas a minha esposa não aceitou transformar a nossa casa num resort. Então, adquiri um outro terreno para construir o hotel. Lembrei que a minha mãe contava que as primeiras casas de Santo Antão eram chamadas de castelo por causa da sua forma redonda, dispondo de uma única entrada. Decidi então atribuir o nome de Questel-Bronq ao resort”.

O projecto prevê a construção de 17 bungalows, sendo oito geminados, agrupados de dois em dois, e uma suíte. Cada bungalow possui um quarto, perfazendo um total de 17 quartos e 32 camas. Terá um restaurante com o mesmo design, que se desenvolve em três pisos, sendo o primeiro constituído por bar, esplanada, cozinha, despensa com ascensor de bandejas, auditório, lavandaria e recepção.

O segundo piso apresenta uma esplanada panorâmica. No terceiro piso está outra esplanada, esta aberta e envidraçada. O resort tem ainda uma piscina, um minicampo de golfe e outro de petanca (jogo em que se lançam bolas metálicas para ficar o mais próximo possível de uma outra de madeira, previamente lançada por outro jogador). As construções vão ocupar uma área de três mil metros quadrados, num lote em que se optou por uma forma rectangular adaptada à configuração e ao panorama do local.

Os investimentos rondam os 50 mil contos (50.636.000 CVE), dos quais 36 mil (36.078.000 CVE) foram consumidos na edificação e 10 mil (10.000 CVE) nos equipamentos. Na face inicial, os promotores, Beni e a esposa, utilizaram recursos próprios, mas para o acabamento tiveram de recorrer a um crédito bancário. “É muito complicado investir em Cabo Verde porque o ambiente de negócios não é favorável. No nosso caso, por exemplo, exigiram-nos muitas garantias. Talvez seja por isso que poucos emigrantes arriscam investir no país”.

Ultrapassada esta fase, Beni diz estar optimista agora que vai abrir o hotel. Adoptou como lema do resort “Da cama vê-se o mar”, um apelo às pessoas que visitam as localidades de Chã d` Igreja, Cruzinha e Mocho. “Queremos que o nosso hotel sirva os turistas que fazem trecking, mas também os nacionais que queiram conhecer estas zonas mais recônditas. Para isso, vamos oferecer preços especiais”.

Todos os postos de trabalho, durante a construção e agora em pleno funcionamento, são ocupados por moradores de Cruzinha, uma forma de levar alguma dinâmica a esta localidade, que conta com cerca de 500 habitantes. Sobre este particular, de acordo com Beni, o resort vai oferecer aos seus hóspedes produtos de terra, designadamente peixes, mariscos e verduras.

“Estamos localizados numa zona conhecida pela qualidade dos seus mariscos e peixes. Muitas pessoas de outras regiões e mesmo de São Vicente vão propositadamente à Cruzinha para comprar produtos de terra. Vamos oferecer estes produtos aos nossos clientes e, com isso, dinamizar a economia local”.

Por: Constança de Pina

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau