ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Repórteres Sem Fronteiras: Cabo Verde melhora quatro posições 21 Abril 2016

Cabo Verde melhorou quatro posições - 36º para 32º - no ranking de Liberdade de Imprensa publicado esta quarta-feira, 20, pelos Repórtes Sem Fronteiras (RFS). O documento revela, entretanto, que houve uma “profunda” deterioração a nível global por causa da repressão governamental nas liberdades e no controlo dos meios públicos.

Repórteres Sem Fronteiras: Cabo Verde melhora quatro posições

O Índice de Liberdade de Imprensa registou queda em todos os indicadores, designadamente pluralismo, independências dos órgãos de comunicação social, ambiente e autocensura, legislação, transparência, infraestruturas e agressões.

No caso concreto de Cabo Verde, o relatório revela que o país “se distingue por uma ausência de ataques contra os jornalistas e uma grande liberdade de imprensa, garantida pela Constituição. O último processo por difamação remonta à 2002.Uma grande parte dos médias pertencem ao Governo, designadamente o principal canal de televisão e a rádio nacional, mas os seus conteúdos não são controlados. Consta-se, contudo, um certo nível de autocensura devido à pequenez do país e à uma paisagem mediática que incita os jornalistas a não se indispor com os futuros empregadores”.

O ranking é liderado pela Finlândia, seguida pelos Países Baixos, Noruega e Dinamarca. Já na cauda da lista aparecem a Erytreia e a Correia do Norte. Entre os países lusófonos, Cabo Verde é ultrapassado apenas por Portugal, na posição 25ª. Guiné Bissau ocupa o 79º lugar, Moçambique 87º, Timor 99º, Brasil 104º e Angola, o pior entre os falantes do português, no 123º.

Destaca a organização ainda o aumento da repressão das liberdades por parte dos Governos em países como a Turquia e o Egipto, enquanto que na Polónia cresceu o controlo sobre os órgãos de comunicação social públicos. Por outro lado, relata o aumento da insegurança na Líbia, Burundi e Iémen e a pressão das ideologias, principalmente religiosas, e da propaganda em órgãos públicos e privados.

Este índice mundial de liberdade de imprensa abarcou 180 países. É feito anualmente desde 2013, sendo que este ano mostra uma deterioração de 3,71% em relação ao anterior e de 13,6% desde a primeira classificação. A deterioração da liberdade de imprensa foi registada em todos os continentes, sendo que na América Latina o índice piorou 20,5% devido aos “assassínios e ataques de jornalistas” no México e América Central.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau