CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

São Filipe: População do bairro de Beltchês sente-se abandonada 22 Mar�o 2015

A população do bairro de Beltchês, na cidade de São Filipe, mostra-se revoltada e sente-se abandonada pelos poderes públicos. Há vários anos que os moradores daquele bairro pedem uma solução para resolver os problemas da juventude daquela localidade. Cansados de esperar, um grupo de jovens procurou o asemanaonline para denunciar o que consideram uma situação de calamidade.

São Filipe: População do bairro de Beltchês sente-se abandonada

A localidade de Beltchês é conhecida como um bairro problemático, onde se registam casos de droga, álcool, prostituição, furtos e roubos. Mas, mesmo assim, existem pessoas que não entram nesta estatística. Cerca de 80% dos moradores vive da pesca.

Nas ruas deste humilde bairro, encontramos jovens a jogar cartas, oril e dama. Há crianças que jogam bingos e cartas e, mesmo correndo o risco de serem atropeladas, jogam futebol nas ruas.

“O dia-a-dia dos residentes da zona não é fácil, sobretudo para os jovens. Falta uma infra-estrutura desportiva para ocuparem os seus tempos livres, evitando que enveredem pelo caminho das drogas, furtos e prostituição”, defende Hércules Monteiro, que lidera um grupo de jovens que trabalha a favor da sua zona.

Fábio Dinis é um dos integrantes do grupo que junta a sua voz à dos moradores que se mostram revoltados e dizem-se abandonados pelos poderes públicos. “É triste a condição em que vivem os habitantes. A maioria dos nossos jovens abusam do álcool e de drogas e cometem crimes por falta de ocupação. A maioria está no desemprego", disse.

Agastados com a situação, Hércules Monteiro, Fábio Dinis e outros jovens daquela comunidade decidem “mostrar o lado positivo da comunidade” realizando actividades culturais e pedagógicas, como palestras junto da população. Mas têm faltado apoios e incentivos dos governantes.

“É lamentável porque já fomos várias vezes à Câmara Municipal, mostrando a nossa preocupação. A edilidade limita-se a prometer, mas nada faz. Há cerca de dois meses apresentámos uma proposta para a construção de uma placa desportiva numa das ribeiras, actualmente utilizada como depósito de lixo. Entretanto, aguarda-se uma resposta do Luís Pires”, conclui Hércules Monteiro.

Nicolau Centeio

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau