ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Segundo dados do INECV: Balança comercial de Cabo Verde degrada-se no 1º trimestre de 2017 29 Abril 2017

A balança comercial de Cabo Verde – diferença entre o valor da importação e exportação de produtos – deteriorou-se no primeiro trimestre de 2007. É que segundo os recentes dados provisórios do comércio externo, apurados pelo Instituto Nacional de Estatística (INECV), demonstram que, nos três primeiros meses deste ano, tanto as importações (38,7%) como as reexportações (33,1%) evoluíram de forma positiva, mas as exportações diminuíram (-47,3%), em relação ao período homólogo. No mesmo período, o deficit da balança comercial aumentou 48,9% (o desequilíbrio degradou-se) e a taxa de cobertura diminuiu em 6,6 pontos percentuais (p.p.) em comparação ao último trimestre de 2016.

Segundo dados do INECV: Balança comercial de Cabo Verde degrada-se no 1º trimestre de 2017

Exportações por zonas económicas

Referindo-se às exportações por zonas económica, o INECV revela que a Europa continua sendo o principal cliente de Cabo Verde, absorvendo cerca de 96,1% do total das exportações nacionais. Já as exportações cabo-verdianas para os outros continentes foram de montantes relativamente pouco expressivos, embora tenham tenha verificado um relativo crescimento para a América.

Relativamente aos países com os quais Cabo Verde mantém relações comerciais, constata-se que a Espanha, mesmo tendo evolução negativa, lidera o ranking dos principais clientes de Cabo Verde na zona económica europeia, representando 52,8% do total das exportações. Portugal ocupa o segundo lugar na estrutura das exportações, com 40,8%, aumentando em 22,6 p.p., em relação ao mesmo período do ano de 2016.

Produtos: Exportação de peixes diminui

Entre os produtos exportados por Cabo Verde no 1º trimestre 2017, os peixes, crustáceos e moluscos tiveram uma evolução negativa (-79,6%), perdendo assim o posto para os preparados e conservas, que ocupam o primeiro lugar, com 47,7% do total .

Os vestuários ocupam o segundo lugar, representando 21,8% do geral, tendo assim aumentado cerca 10,8 p.p. em relação ao valor registado no mesmo período do ano anterior.

Estes três produtos representaram, no período em análise, 85,3% do total das exportações de Cabo Verde. A estatística do INECV aponta ainda que as bebidas alcoólicas registaram evolução negativa (-84.5%), comparativamente aos montantes registados no 1º trimestre de 2016.

Importações por Zonas Económicas

Revela o estudo do INECV que as importações de Cabo Verde no período em análise registaram um acréscimo de 38,7%, face ao trimestre anterior. O continente europeu continua a ser o principal fornecedor de Cabo Verde, com 83,8% do montante total (contra 77,0% do mesmo período do ano transacto).

Segundo a mesma fonte, as exportações deste continente para Cabo Verde aumentaram 51,0% face ao mesmo período do ano de 2016. Registou-se também um aumento no montante das importações provenientes da Ásia (5,6%) e uma redução das que tiveram como origem a África (-0,9%), América (-8,3%) e Resto do Mundo (-24,8%), comparativamente ao período homólogo.

Portugal (mesmo tendo diminuído em 7,6 p. p.) lidera, entre os fornecedores de Cabo Verde, com 39,3% do total, seguido da Espanha (22,9%), França (6,2%) e Itália (5,0%) do total das importações. Constata-se que, dos fornecedores, apenas a Bélgica e os Países Baixos registaram reduções no montante das suas exportações para Cabo Verde, de 46,9% e 18,4%, respectivamente, no 1º trimestre 2017.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau