LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Timor Leste: Fretilin vence legislativas por margem mínima de mil votos 24 Julho 2017

A Fretilin venceu as legislativas timorenses de sábado com uma vantagem de cerca de mil votos em relação ao CNRT, segundo a contagem final dos boletins divulgada pelo Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE). A pensar na formação do governo, o líder da Fretelim, Mari Alkatiri, prometeu dialogar com o CNRT-Congresso Nacional de Reconstrução do Timor-Leste de Xanana Gusmão, por considerar que os dois partidos são aliados naturais.

Timor Leste: Fretilin vence legislativas por margem mínima de mil votos

“Tudo faremos para abraçar todos mas vamos continuar a trabalhar com Xanana Gusmão, essa figura incontornável desse país, no sentido de responder a esta mensagem clara do nosso povo”, afirmou Mari Alkatiri, num discurso na sede da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) em Díli.

Segundo os dados do STAE, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), de Mari Alkatiri, obteve 168.422 votos e o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), de Xanana Gusmão, conseguiu 167.330. Aplicando o método de Hondt, a Fretilin terá 23 deputados e o CNRT terá 22 no Parlamento Nacional, onde há um total de 65 lugares.

A terceira força mais votada foi o Partido Libertação Popular (PLP), do ex-Presidente Taur Matan Ruak, que conseguiu 60.092 votos (oito deputados), seguindo-se o Partido Democrático (PD), com 55.595 votos (sete deputados) e o Khunto, com 36.546 votos e cinco deputados.

A Fretilin liderou a contagem desde o arranque mas, durante o dia de hoje, responsáveis do CNRT chegaram a reivindicar vitória, com base nos números da sua própria contagem.

Ainda assim, enquanto a Fretilin esteve durante toda a noite em celebração na sua sede - o secretário-geral do partido, Mari Alkatiri, fez mesmo uma reivindicação de vitória horas antes do fecho da contagem -, na sede do CNRT o ambiente era mais sombrio.

A contagem de votos terminou quase 35 horas depois do fecho das urnas, quando funcionários eleitorais digitaram a última ata corresponde ao último centro de votação do município de Díli.

Em termos regionais, a Fretilin venceu nos três municípios do leste - Baucau, Lautem e Viqueque - e no enclave de Oecusse, ficando em segundo lugar nos restantes municípios, com exceção de Covalima, onde foi a terceira força mais votada.

A maior vitória da Fretilin foi em Viqueque, onde obteve 52,92% dos votos, e a menor foi em Ainaro, onde reuniu 18,02%.

O CNRT, por seu lado, venceu em Aileu, Ainaro, Bobonaro, Covalima, Díli, Ermera, Liquiçá, Manatuto e Manufahi, ficando em segundo em Lautem, Oecusse e Viqueque e em terceiro em Baucau.

O melhor resultado do CNRT foi em Aileu (40,95% dos votos) e o pior em Baucau (9,87%).

Já a estreante e agora terceira força política do país, o Partido de Libertação Popular (PLP), ficou em segundo lugar em Baucau e em quarto em Aileu e Lautem. Baucau deu a melhor votação ao PLP (30,12%).

O Partido Democrático (PD) obteve o seu melhor lugar em Covalima, onde foi segundo, ficando em terceiro em seis municípios e em quarto em três.
Igualmente estreante no parlamento, o Khunto ficou em terceiro em Aileu e Viqueque e em quarto em sete municípios.

Votaram 583.956 eleitores, ou 76,74% de todos os recenseados, com a maior taxa de participação a registar-se em Aileu (85,68%) e a mais baixa na capital (74,64%).
Os resultados finais têm ainda de ser certificados pelo Tribunal de Recurso.

Estas foram as primeiras legislativas timorenses organizadas exclusivamente pelas autoridades de Timor-Leste, que já as consideraram as eleições mais tranquilas de sempre no país, não havendo registo de incidentes graves na campanha, votação e escrutínio. Fontes: Lusa c/Portugal Digital

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau