NOS KU NOS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Universidade estuda significado de "saudade" 22 Junho 2014

A Universidade do Luxemburgo lançou um inquérito sobre o que significa a palavra "saudade" para os imigrantes lusófonos no país e vai comparar os resultados com um estudo semelhante feito em Portugal. O inquérito, que deverá dar origem a um artigo científico, vai basear-se num questionário já utilizado noutra investigação sobre a conceptualização da palavra "saudade" entre jovens portugueses, realizado por investigadores da Universidade do Porto e do Institute of Advanced Studies, em Paris.

Universidade estuda significado de

"Queremos comparar os resultados com o estudo feito em Portugal, para ver se os imigrantes portugueses, cabo-verdianos e os lusófonos em geral aqui no Luxemburgo definem a palavra ’saudade’ da mesma forma que os que não saíram dos seus países. Parece-nos que a palavra tem um significado diferente, se calhar mais forte, com outra intensidade, para os imigrantes que estão fora", disse a investigadora Stéphanie Barros Coimbra, do departamento de ciências sociais INSIDE ("Integrative Research Unit on Social and Individual Development") da Universidade do Luxemburgo.

No questionário lançado, os inquiridos têm de seleccionar sentimentos e ideias que associam à palavra, entre uma lista de 67 itens, incluindo "tristeza", "solidão", "pátria", "férias" ou "fado", ou provérbios como "quem parte leva saudades, quem fica saudades tem".

A ideia é inventariar as emoções associadas à palavra pelos imigrantes lusófonos no país, na perspectiva da psicologia, uma área em que não há ainda muitos estudos sobre o tema, explicou a investigadora portuguesa nascida no Luxemburgo. "A palavra ’saudade’ é típica da língua portuguesa e é dificilmente traduzível para outras línguas. Já houve estudos feitos em Portugal sobre a palavra na perspectiva da literatura, da filosofia ou da linguística, mas na área da psicologia há muito poucos", afirma.

Filha de emigrantes portugueses no Luxemburgo, a investigadora, de 29 anos, admite ter um "interesse pessoal" neste estudo. "É uma palavra que sempre ouvi muito lá em casa, porque os meus pais tinham saudades da família que ficou em Portugal, e eu própria também sentia saudades. Diz-se ’matar saudades’ quando vamos a Portugal, e esses valores foram-me transmitidos", disse a investigadora.

C/Contacto

Foto: Foto: Guy Wolff

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau