SOCIAL

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Centro da Diálise do HAN: SINDEF avança com a greve dos enfermeiros 15 Fevereiro 2017

Os 12 enfermeiros afectos ao Centro de Diálise do Hospital Agostinho Neto (HAN) vão estar em greve, partir desta quarta-feira,15,prologando-se até o dia seguinte. A garantia foi dada pelo presidente do Sindicato Nacional Democrático dos Enfermeiros (SINDEF), José Sanches, durante uma conferência de imprensa que realizou, esta terça-feira, na Cidade da Praia. Em causa estão o corte das remunerações extras e o novo horário e as escalas de serviço implementados pelo novo presidente do Conselho de Administração, Júlio Andrade, daquela maior unidade hospitalar de Cabo Verde.

Centro da Diálise do HAN: SINDEF avança com a greve dos enfermeiros

Reagindo às declarações do PCA do HAN, o lider do SINDEF, afirma que Júlio Andrade faltou a verdade e que contradiz a sua própria pessoa, em relação à greve anunciada pelo sindicato que representa os 12 enfermeiros do Centro da Diálise. “É falso que o SINDEF cortou o diálogo com a direcção do Hospital. Aliás, não corresponde a verdade, porquanto a escala apresentada pelos enfermeiros, a pedido do próprio PCA, nunca foi aceite e tampouco validada e paga como devido. Se assim fosse, o nosso sindicato não apresentaria o pré-aviso da greve”, sublinha.

Para o sindicalista, que é também enfermeiro de profissão, Júlio Andrade está desesperado e procura confundir a opinião pública da justa luta dos enfermeiros do Centro de Diálise, tentando transpor as suas reivindicações para o campo pessoal. “O Presidente do Conselho de Administração do HAN demonstra insensibilidade gritante, o que põe em causa a vida dos nossos doentes, devido à sua intransigência, gestão conflituosa e sem noção nas afirmações que faz”, contesta.

José Sanches garante, no entanto, que, embora aconteça a greve dos 12 enfermeiros durante os dois dias, “os interesses dos pacientes estão acima de tudo e que tudo farão para que os mesmos e seus familiares não sofram”, prometendo serviços mínimos para os cerca de 100 doentes renais que recebem cuidados no Hospital Agostinho Neto.

Entretanto, tanto a direcção e administração do HAN, como os Familiares destes doentes com insuficiência renal crónica mostram-se preocupados com a greve anunciada, tendo alguns deles advertido às autoridades de saúde para assumirem as suas responsabilidades por eventuais consequências graves que venham surgir com a paralisação do Centro da Diálise da Capital.

Celso Lobo

Os artigos mais recentes

26 Apr. 2017
OPINIÃO
Dias trumpianos

100% Prático

publicidade






Mediateca
publicidade

Cap-vert

Uhau

Uhau