REGISTOS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Sepulturas judaicas da Praia vão ser recuperadas e conservadas 12 Junho 2010

As campas judaicas no cemitério da Várzea vão ser recuperadas e conservadas ao abrigo de um acordo assinado esta semana entre a Câmara Municipal de Praia (CMP) e a Cape Verde Jewish Heritage (CVJHP). A iniciativa faz parte de um projecto maior que visa os mesmos fins nas ilhas de Santo Antão, S.Vicente e Boa Vista onde, no passado, existiram importantes famílias hebraicas, boa parte das quais oriundas do Marrocos e Gibraltar.

Sepulturas judaicas da Praia vão ser recuperadas e conservadas

A presença judaica em Cabo Verde, mais concretamente o modo de vida e os rituais fúnebres dos judeus sefarditas, foi tema de uma palestra na passada sexta-feira, nos Passos do Concelho da Praia, por parte do rabino Isaac Assor, residente em Lisboa. Segundo ele, para os judeus, o cemitério é a “Casa de Vida”, por isso um lugar de culto e perpetuação da memória.

Assor enfatizou, por isso, a importância de preservar os pequenos cemitérios judaicos existentes em Cabo Verde, como testemunho das várias famílias que demandaram este arquipélago em tempos idos, fugindo primeiro da perseguição religiosa, durante o período da Inquisição, e mais recentemente, no século XIX e início d XX, à procura de uma maior estabilidade económica.

Essas famílias, explicou, desembarcaram principalmente nas ilhas de Santo Antão, São Vicente, Boa Vista e Santiago, espalhando aqui na Praia, em Santa Catarina e outros lugares, engajadas no comércio internacional, transporte, administração e outras actividades.

Por sua parte, a presidente da CVJHP, Carol Castiel, referiu que os judeus integraram-se na vida quotidiana de Cabo Verde, trabalharam e prosperaram. No entanto, como eram muito poucos em relação à população católica, acabaram por ocorrer casamentos com pessoas de outras religiões.

“Como resultado dessa assimilação Cabo Verde praticamente não tem hoje judeus praticantes, no entanto, os descendentes dessas famílias falam com orgulho da sua ascendência judaica”, afirmou Castiel, daí o desejo desses cabo-verdianos em “honrar a memória dos seus antepassados” no que irão contar com o apoio da CVJHP para “preservar os cemitérios e documentos existentes alusivos a essa presença”.

Este é , aliás, um dos objectivos do acordo assinado na passada sexta-feira entre a CVJHP e a CMP através de Carol Castiel e Ulisses Correia e Silva. À semelhança do que poderá acontecer noutros cemitérios de Cabo Verde onde existem campas de judeus – casos de S.Vicente, Santo Antão e Boa Vista – a CVJHP irá trabalhar na recuperação e conservação das campas judias ainda existentes no cemitério da Várzea.

Fora isso, o projecto contempla a recolha de testemunhos orais e documentais sobre as famílias judaicas de Cabo Verde, para no fim todo esse material ser publicado em livros. Um dos itens a explorar por essa iniciativa poderá ser a promoção do turismo virado para a herança hebraica neste arquipélago, cuja história inicial está ligada aos “cristãos novos” desterrados para estas ilhas nos primórdios da nossa colonização.

Os artigos mais recentes

26 Apr. 2017
OPINIÃO
Dias trumpianos

100% Prático

publicidade






Mediateca
publicidade

Cap-vert

Uhau

Uhau