ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Abstenção nas autárquicas chega às comemorações do 5 de Julho 06 Julho 2012

A taxa de abstenção de 31,5 por cento nas últimas eleições autárquicas foi um dos pontos chamados aos discursos dos representantes da UCID e do MpD no acto solene de comemoração do 37º aniversário da independência nacional. Enquanto a UCID considera necessário instituir o voto obrigatório para a maior participação dos cidadãos na vida política, o MpD entende que é preciso dar credibilidade e responsabilizar os agentes políticos, bem como confiar nas instituições democráticas. Por sua vez, o líder da bancada parlamentar do PAICV destacou os ganhos que Cabo Verde conseguiu ao longo dos seus 37 anos como país independente.

Abstenção nas autárquicas chega às comemorações do 5 de Julho

O primeiro a usar da palavra foi João Luís, em substituição do líder da UCID António Monteiro. O deputado começou por criticar a classe política “incauta e alheia” aos sinais que vão surgindo da sociedade civil, “incapaz” de pôr em prática os “alvores da independência prometida”. Assim, 37 anos após o país tomar as rédeas do seu destino, João Luís é de opinião que o cidadão deve ter a sua quota-parte de responsabilidade na construção do país. “Não podemos continuar a tolerar como politicamente correcto o que moralmente é deplorável”.

Já o líder parlamentar do MpD, Fernando Elísio Freire, exorta o Estado a devolver as comemorações do 5 de Julho ao povo destas ilhas, no país e na diáspora, numa referência à pouca participação da sociedade civil numa data que é de todos os cabo-verdianos. Assim, entende: " temos responsabilidade perante os jovens e gerações futuras no estudo do país e para difundir os valores que caracterizam o Estado de Direito democrático". Nesta linha de ideias, Elísio Freire entende que é obrigatório todos participarem para dar o seu contributo na vida pública, uma vez que o “alheamento não é uma forma adequada”.

Por sua vez, o líder parlamentar do PAICV, José Manuel Andrade, centrou o seu discurso nos “ganhos, avanços e resultados positivos de avaliação internacional em vários indicadores” do país nestes 37 anos. Sem deixar de recordar Amílcar Cabral e todos os combatentes da Liberdade da Pátria, Andrade reconhece, por outro lado, que Cabo Verde ainda enfrenta vários desafios, nomeadamente a modernização de estruturas, crescimento e fortalecimento do sector privado e prudência na gestão da coisa pública. Afinal, “o mundo enfrenta uma crise financeira das mais avassaladoras dos últimos 100 anos”.

publicidade

Os artigos mais recentes

02 Oct. 2014
OPINIÃO
Postal de Lisboa

100% Prático

publicidade






Mediateca
publicidade


Cap-vert

Uhau

Uhau
publicidade












publicidade













Newsletter