ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

4ª melhor mundial, Cathay Pacific Airways de Hong Kong, 1ª na mira da China para zerar protestos 11 Agosto 2019

As autoridades de Pequim emitiram uma proibição de sobrevoar o território aos empregados da companhia aérea que aderiram à greve geral da segunda-feira, 5. É uma medida drástica e que serve de aviso a outros empregadores de Hong Kong, onde há três meses os protestos contra o executivo apoiado por Pequim mantêm toda a força.

 4ª melhor mundial, Cathay Pacific Airways de Hong Kong, 1ª na mira da China para zerar protestos

Em Hong Kong continua a crescer o movimento que em 9 de junho arrancou com mais de um milhão de pessoas (incluindo a diáspora, com destaque para a Austrália) a protestar contra o projeto de lei da extradição para a China.

A entrar no terceiro mês, desde o início desta semana o movimento ’ocupa’ o aeroporto de Hong Kong.

Primeiro, foi a greve na mais emblemática empresa do território, que é a Cathay Pacific e cinco dias depois há um comité de boas-vindas, constituído por manifestantes que recebem os desembarcados em festa enquanto cantam "Abaixo a tirania", "Libertem Hong Kong da ditadura do Partido Comunista Chinês".

A imaginativa que revelam os hongkonguenses, sobretudo jovens, não é exclusivo destes insulares.

Também as autoridades na China continental, decididas que estão a não deixar fugir-lhes as rédeas, recorrem a meios inauditos, como o anúncio esta sexta-feira, 9, de que os grevistas estão proibidos de voar para a China mas também de sobrevoar o vastíssimo território que é parte da rota da Cathay Pacific.

Fontes: South China Morning Post/Wall Street/Le Monde. Foto (AFP) da mobilização dos protestos contra o executivo nomeado por Pequim, no 1º dia da ’ocupação’ do aeroporto de Kong Kong.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project