OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

A gestão danosa da coisa pública nacional 30 Novembro 2019

Os políticos eleitos pelo povo, para trabalhar para o bem da Nação e seu povo, continuam ignorando a tudo e todos, usando o dinheiro do Povo Sofredor como se fosse dinheiro deles. Enquanto isso, milhares morrem de fome.

Por: Carlos Fortes Lopes*

 A gestão danosa da coisa pública nacional

O Estado e os cofres de Cabo Verde têm vindo a servir de facilitadores da riqueza dos eleitos e seus condiscípulos. Os políticos eleitos pelo povo, para trabalhar para o bem da Nação e seu povo, continuam ignorando a tudo e todos, usando o dinheiro do Povo Sofredor como se fosse dinheiro deles. Enquanto isso, milhares morrem de fome; Pessoas mal nutridas são presas fáceis de gripes fortes e outras bactérias infecciosas existentes no ar e que acabam por ser predominantes nas zonas sem esgoto e saneamento legal. A fraca imunidade e a falta de profissionalismo nos hospitais nacional são os contribuintes para a norte dessas pessoas que nem sequer têm os 100$00 para pagar para serem vistos por um médico. Triste sina do
Cabo-Verdiano.

A falta de profissionalismo é o factor principal na crónica da morosidade existente em todas as instituições públicas do país. A burocracia cabo-verdiana já é um cancro institucional e empresarial, causador de problemas de gestão, o que por sua vez impede que as empresas públicas e privadas funcionem e apresentam resultados positivos para a economia nacional.

Por várias vezes tenho escrito artigos de opinião chamando a atenção de todos pelo facto de que se não for aplicado o sistema de governação baseado nos três pilares fundamentais de governação democrática, com uma liderança estratégica e com inspeções periódicas e sérias. continuaremos altamente vulneráveis às crises internacionais. Os gestores nacionais precisam de aulas de “Boas Práticas de Governação”.

O país continua carente de uma administração pública eficiente, eficaz e produtora de resultados práticos.

Analisando a atitude existente entre os políticos e os directores nacionais das instituições pública, somos capazes de concluir que existe falta de transparência e, a prestação de contas é inexistente.

Continua-se a verificar um vacuum enorme entre os políticos e ou chefes de repartições políticas e o povo lutador. Nem sequer dão oportunidade aos pobres para saírem da miséria. O orçamento do Estado só contempla a capital do país e os Detentores de Cargos Políticos.

Uma administração daninha e wife continua demonstrando s insensibilidade dos eleitos e seus discípulos para com o Povo Sofredor.

Este e outros governos de Cabo Verde exibem as suas mentiras para tentar manter o povo nas escuras. Os negócios em que este Governo está envolvido são sempre blindados pelo sigilo do repletos de ilegalidades. Tratam esses negócios como se se tratasse de negócios pessoais, violando as leis constitucionais e o Parlamento aceita tudo como se fosse normal.

Os governantes estão a aumentar o nível da desconfiança que espero culminará com a mudança de paradigma, nas urnas.

O povo das nossas ilhas amadas precisam se libertar da ideia de que o MPD e o PAICV são os únicos capazes de governar Cabo Verde. Um Governo de coligação entre dois ou três partidos é, a meu ver, a solução para o país. Com um parlamento constituído por três partidos, onde não existirá maioria absoluta, os resultados passarão a depender de negociações entre os três partidos, e decerto que serão resultados a favor do bem estar do povo das ilhas.

Com três ou quatro bancadas parlamentares tudo mudará no parlamento. Com essa diversidade, as ilhas terão mais atenção e o Governo será fiscalizado como está estipulado na Lei constitucional. Com um parlamento misto os deputados passarão a pensar melhor e talvez a respeitar a si próprios e o povo eleitor. Assim talvez se descobre os tais “segredos do negócio” e alguém terá que responder pelas ilegalidades.

Outro assunto que muito provavelmente será resolvido será a gestão das empresas de aviação e marítimas de Cabo Verde. O parlamento misto passará a ter outra postura que não seja da maioria defender o Governo sem analisar os dossiês.
Com três ou mais partidos com assento no Parlamento os debates passarão a ser ricos em conteúdo.

Um país pequeno como Cabo Verde, constituído por ilhas só poderá desenvolver e acabar com a miséria extrema, usando todas as indústrias nacionais. Concentrando o desenvolvimento numa ou duas ilhas nunca levará o país a bom porto. Com êxodo das pessoas para as ilhas onde existe algum emprego, estar-se-á a aumentar a prostituição, o consumo e tráfico de drogas, et cetera, et cetera.

Sem a mão de obras em ilhas como São Nicolau não se pode esperar que a ilha desenvolva. Antes pelo contrário, está sendo afundada anualmente com o sistema de distribuição do Orçamento do Estado.É aí que se vê claramente que existe uma lacuna desproporcionada na forma da distribuição do “Bolo” nacional.

Um Governo competente e realista, não fazia a distribuição do Orçamento baseado na produção ou contribuição ao PIB nacional, sabendo este que não criou condições de produção e escoamento dos produtos dessas ilhas. Como Gestor, optaria por aumentar a parcela do Orçamento para as ilhas em desfalque, apoiando-os na gestão das suas indústrias internas.

Por exemplo, a agricultura é o principal motor da economia do nosso país desde que se invista nela. Ela não só será finte de alimentação mas contribuirá, em muito, para a evolução do turismo nacional que precisa, urgentemente, de ajustes, para manter a galinha dos ovos de ouro “chocando” constantemente.

Se estas e outras sugestões minhas fossem tidas em conta, há muito teríamos iniciado o caminho da prosperidade nacional. Num país democrático, de verdade, a opinião pública É indispensável na tomada das decisões do Governo.

Num país realmente democrático, os interesse pessoais são os últimos e o das populações é o primeiro no “to-do-list”. Só empregando a maioria dos jovens, no sector privado, estaremos a criar oportunidades de rendimento e investimentos privados.
— -

* A Voz do Povo Sofredor

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project