ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Acordo de livre comércio continental: Cabo Verde terá de investir na indústria e na agricultura – economista 02 Janeiro 2021

O economista José Agnelo Sanches considerou hoje que para Cabo Verde tirar o maior proveito do Acordo de Livre Comércio Continental Africano (AfCFTA, na sigla em inglês) terá de investir na indústria, na agricultura e no desenvolvimento de serviços.

Acordo de livre comércio continental: Cabo Verde terá de investir na indústria e na agricultura – economista

José Agnelo Sanches, que falava à Inforpress sobre o AfCFTA na Área de Livre Comércio Continental Africana (ALCCA) e que entrou oficialmente em vigor na sexta-feira, 01 de Janeiro, afirmou que o país terá de afirmar como uma economia nacional de utilidade pelo menos na região da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

“Cabo Verde é um país muito pequeno que em termos de comércio externo é um importador, não tem exportação, não tem indústria e tem uma produção muito fraca e baixa. Para tirar proveito desse acordo tem que desenvolver, investir na indústria, na agricultura, mas também no desenvolvimento de serviços”, defendeu.

Face à pandemia da covid-19, sublinhou que a economia cabo-verdiana passou por uma recessão profunda e terá de ter medidas de relançamento da economia, realçando que este acordo é algo que sirva e permita ao país trabalhar e tirar proveito no futuro.

“A preocupação de curto e médio prazo é de recuperação económica e relançar os sectores da economia, nomeadamente o turismo no contexto em que vamos desenvolvendo, ciente de que há algumas incertezas quanto à pandemia e quanto às regras que devem ser seguidas”, constatou.

Por outro lado, sublinhou que o país tem que voltar-se para dentro e analisar a questão da produção interna, investir muito na sua vertente da indústria ligeira, sendo que dispõe de vantagens comparativas que podem ser transformadas em vantagens competitivas e pode ainda apostar na agricultura e economia azul para poder estar na senda da competitividade.

No seu entender, para a economia cabo-verdiana se tornar competitiva, é necessário investir muito forte na recuperação da economia e no desenvolvimento dos sectores afins.

Para o economista, há uma grande expectativa em relação a esse acordo no que diz respeito ao desvio do comércio para as outras regiões do continente e a criação do comércio.

“Espera-se ainda a criação de empregos, rendimentos para as pessoas e o Banco Mundial prevê alguma mudança em relação à pobreza extrema”, referiu José Agnelo Sanches que considerou que o acordo em si não representa nada se o continente não conseguir o desenvolvimento económico.

Segundo a mesma fonte, o acordo de trocas comerciais na ALCCA arrancou oficialmente na sexta-feira, 01, culminando um período de mais de cinco anos de negociações para reduzir ou eliminar as tarifas alfandegárias entre os países africanos, num contexto de tensões comerciais em várias partes do mundo, nomeadamente na Europa, onde o Reino Unido saiu da União Europeia e foi implementado um acordo comercial pós-Bréxit.

O acordo, que dos 55 países africanos só não foi assinado pela Eritreia, pretende eliminar ou reduzir as tarifas alfandegárias na maior parte dos bens, facilitar o movimento de pessoas e de capital, promover o investimento no continente e preparar o estabelecimento de uma união aduaneira no continente, esperando-se que esteja completamente operacional em 2030, tornando a região na maior zona de comércio livre do mundo.

Entre os países lusófonos, só a Guiné-Bissau e Moçambique não ratificaram o acordo de livre comércio no continente, que entrou hoje em vigor, disse o coordenador do Centro de Política Comercial Africana na Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA).

“A Guiné-Bissau e Moçambique assinaram o acordo de adesão à ALCCA, mas ainda não o ratificaram”, disse David Luke em declarações à Lusa a partir de Adis Abeba, a sede da União Africana.

“Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe [os restantes países lusófonos do continente] ratificaram o acordo e depositaram os instrumentos de ratificação junto da Comissão da União Africana”, acrescentou aquele responsável, no dia em que entrou em vigor o acordo de liberalização das tarifas alfandegárias que promete mudar a face das economias africanas, conclui a mesma fonte citada pela Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project