INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Afeganistão talibã: Repórter CNN coberta de hijab — Tropas dos EUA atiram perante multidão em desespero na pista do aeroporto 17 Agosto 2021

A entrada dos talibãs no palácio presidencial em Cabul, no domingo, é já considerada a pior derrota dos serviços de informação dos Estados Unidos. O aeroporto, que é desde domingo o cenário do desespero de cidadãos que tentam por todos os meios entrar num avião, foi tomado pelos militares dos Estados Unidos.

Afeganistão talibã: Repórter CNN coberta de hijab — Tropas dos EUA atiram perante multidão em desespero na pista do aeroporto

A jornalista Clarissa Ward a reportar diretamente da capital afegã, Kabul/Cabul, após a invasão dos talibãs, aponta o que mudou: "Nunca vi a cidade assim", "as ruas cheias de soldados talibãs", "as pouquíssimas mulheres que circulam estão de burqa (o traje mais conservador).

Há relatos inconclusivos sobre o número de pessoas que terão morrido, esta segunda-feira, no aeroporto. Referem-se disparos dos militares sobre centenas de pessoas que invadiram a pista, subiram para os aviões e impediram a descolagem.

Segundo a Reuters que cita uma fonte oficial, "as forças dos Estados Unidos dispararam para o ar " para impedir centenas de civis de entrar na pista". As autoridades americanas justificam o tiroteio com a necessidade de "controlar o caos" provocado por "centenas de afegães" que invadiram a pista para entrar num avião C-17 dos EUA ali parado à espera de transportar americanos.

Quatro homens terão caído dum avião dos Estados Unidos a que se tinham agarrado, segundo o L’Express.

Porquê esta fuga desesperada, já que os talibãs prometem "governo islâmico aberto e inclusivo" no Afeganistão?

Mas a verdade é que os cidadãos ainda têm memória das barbaridades cometidas pelo regime caído há vinte anos e que desde domingo volta a dominar, com a saída do presidente Ashraf Ghani que abandonou o Afeganistão.

Queda fulminante

A tomada de Cabul era previsível após terem caído no domingo, 8, Kunduz, e ao longo da semana até 14, Aibak, Hérat e outras capitais de províncias — esses territórios que desde há duas décadas "resistiram", fiéis ao regime caído no pós-11 de setembro.

Como o relâmpago, rápido e inesperado, assim foi a progressão dos talibãs nesta fase da retirada dos Estados Unidos.

O saldo de quase vinte anos de presença no Afeganistão, invadido no pós-11 de setembro alegando a proteção do regime a Ossama Bin Laden, é tido como catastrófico.

Fontes: AFP/CNN/DW/... Fotos: 1. AFP/Getty: Afegãos em desespero agarram-se aos aviões na pista. 2. Twitter: Clarissa Ward.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project