REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

África do Sul adia vacinação com AstraZeneca "por dúvidas sobre eficácia" 09 Fevereiro 2021

Planeada para arrancar hoje (segunda-feira, 8), a vacinação com a AstraZeneca na África do Sul foi adiada, "devido à falta de eficácia contra a variante do novo coronavírus 501Y.V2 dominante no país". Segundo anunciou o ministro da Saúde sul-africano, a decisão baseou-se no estudo científico realizado pelas universidades Wits, na África do Sul, e Oxford, no Reino Unido, com 2.000 participantes, com idade média de 31 anos.

O ministro Zweli Mkhize disse que a decisão de "suspender temporariamente" o uso da AZN, a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca, foi tomada depois de um estudo científico indicar que só oferece "proteção mínima" contra casos leves e moderados da variante 501Y.V2, dominante no país.

"Queremos que os nossos cientistas nos aconselhem primeiro sobre o que fazer com a AstraZeneca e quando é que pode ser aplicada. A intenção não é de a devolver ao fabricante: o plano é saber dos cientistas como lidar com esta vacina para avançar com a vacinação", adiantou Zweli Mkhize aos jornalistas, por videoconferência.

O ministro disse que o governo sul-africano vai, entretanto prosseguir o programa de vacinação, com vacinas produzidas pela Johnson & Johnson e a Pfizer, enquanto espera saber mais sobre a vacina desenvolvida pela universidade de Oxford e o consórcio farmacêutico anglo-sueco AstraZeneca.

A África do Sul recebeu na semana passada do Instituto Serum da Índia um milhão de doses da vacina AstraZeneca que deveriam ser administradas aos profissionais de saúde nos próximos dias. O país anunciou ainda mais 500.000 doses para o próximo mês de março.

Com mais de 8,4 milhões de testes de Covid-19 realizados desde março e 26.055 nas últimas vinte e quatros horas, a África do Sul totaliza hooje (segunda-feira, 8) 1.476.135 infeções do novo coronavírus, 46.290 óbitos e 69.641 casos ativos.

O número de recuperações ascende a 1.360.204 pessoas, o que representa uma taxa de recuperação de 92%, refere o Ministério da Saúde da África do Sul.
— -
Fontes: Worldometers. Foto: A vacina AstraZeneca desenvolvida pela universidade de Oxford e o consórcio farmacêutico anglo-sueco AstraZeneca.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project