AMBIENTE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Ambientalistas com proposta para criação de área protegida na ilha Brava 29 Agosto 2020

Os participantes no workshop promovido pelo Projecto Vitó sobre gestão da flora e vegetação terrestre anunciaram que vão impulsionar uma proposta definitiva para a criação de uma área protegida na ilha Brava.

Ambientalistas com proposta para criação de área protegida na ilha Brava

Conforme a Inforpress, o responsável pelo Projecto Vitó, Herculano Dinis, ao fazer o balanço dos dois dias de capacitação, destacou o “grande engajamento” de todos os sectores e forças vivas da ilha, assim como alguns resultados que saíram do workshop.

Como principal resultado, este ambientalista apontou a necessidade de impulsionar uma proposta definitiva da criação de uma área protegida na ilha Brava, avançando que o Projecto Vitó e a Associação Biflores, as duas ONG’s que trabalham no processo de conservação, possuem esta percepção, contando também com a corroboração da população.

Sublinhou ainda, que do ponto de vista político, quer o delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente, como o presidente da Câmara Municipal da Brava partem do princípio, de que é uma necessidade para a ilha.

“É uma ilha extremamente rica em recursos naturais, e a criação de uma área protegida é mais que justificada”, defendeu o responsável, citado pela Inforpress. Entretanto, deixou claro que para chegar até este propósito há um “grande caminho” a percorrer.

Recorde-se que durante os dois dias (26 e 27), debateu-se sobre as “principais ameaças” à conservação da flora na ilha Brava, com destaque para o pastoreio livre, expansão agrícola, falta de sensibilidade e de conhecimento por parte de pessoas, desconhecimento da própria flora endémica e com necessidade de conservação e espécies invasoras como carrapato e freira, além da maioria dos terrenos serem privados.

Por seu turno, Gelsom Monteiro, membro da associação Biflores fez uma avaliação positiva do workshop, sublinhando que o mesmo serviu para reforçar e sistematizar os conhecimentos sobre a importância da biodiversidade de Cabo Verde, em especial da ilha Brava.

Gelsom Monteiro deixou entender que a partir de agora, estão preparados para passar à sociedade um conjunto de resiliências que vai apoiar a biodiversidade.
Sobre a área reservada considerou-a de “extrema avalia”, não só para as plantas endémicas como também, para os animais que fazem parte do ecossistema da Brava.

Segundo o mesmo, as áreas propostas são usadas de uma “forma incorrecta” com o pastoreio livre e prática de uma agricultura insustentável em ao ser delimitada e tomadas algumas medidas, a parte socioeconómica passa a ser “muito valorizada e desenvolvida”.

Como espaços para funcionar uma possível área reservada foram identificados a bacia hidrográfica de Fajã d´Água, o Vale de Ferreiros e uma grande parte da orla costeira que abrange as aves marinhas como alcatraz e rabo-de-junco, na zona de Pedrinha e em Lomba Tantum, de acordo com a Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project