LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Angola: FNLA entre Dala e Nsimbi, cabe ao TC decidir quem é o legítimo líder do partido histórico 02 Outubro 2021

O tribunal constitucional angolano foi acionado para julgar qual o congresso legítimo para eleger o presidente da FNLA-Frente Nacional da Libertação de Angola: o que teve lugar entre 16 e 18 de agosto e que elegeu Pedro Dala ou o de 16 a 19 deste mês e que elegeu Nimi Ya Nsimbi.

Angola: FNLA entre Dala e Nsimbi, cabe ao TC decidir  quem é o legítimo líder do partido histórico

Foi a 19 deste setembro que os delegados ao quinto congresso da FNLA-Frente Nacional da Libertação de Angola elegeram Nimi Ya Nsimbi para o cargo de presidente do histórico partido, com 297 votos. O presidente cessante, Lucas Ngonda, ficou em segundo lugar, com 276 votos.

Mas, um mês antes, uma outra ala da FNLA tinha convocado um congresso para eleger Pedro Dala, o que se efetivou. O secretário-geral do partido afirma por isso que é o "único presidente legítimo da FNLA".

Perante este "um partido, dois presidentes", tanto uma como a outra ala do partido histórico da independência angolana agora digladiam-se sobre a legitimidade/legalidade de cada um dos congressos.

O Tribunal Constitucional tem a tarefa salomónica de escolher "a quem vai entregar o menino".

’V Congresso da FNLA’

O ’V Congresso da FNLA’ teve lugar em Luanda de quinta-feira, 16, a domingo, 19, ao fim de sucessivos adiamentos.

Após o último adiamento em meados de agosto, o congresso acabou agendado para 16 a 18 de setembro, mas questões de cariz técnico relacionadas com o credenciamento de delegados levaram no sábado, 18, à decisão de prolongar os trabalhos.

Na disputa à liderança da FNLA entraram: Lucas Ngonda, que buscava a reeleição; Nimi ya Nsimbi, apoiado pela ala do antigo presidente Ngola Kabangu; Fernando Pedro Gomes; Carlito Roberto (filho do fundador do partido) e Tristão Ernesto. Os três últimos tiveram respetivamente 124 votos, 68 votos e 51 votos , segundo o porta-voz do V Congresso Ordinário, Ndonda Nzinga, em declarações à Rádio Nacional de Angola.

Três foram excluídos, com destaque para o ex-secretário de Informação, Mobilização e Propaganda da FNLA, Joveth de Sousa. Este antigo porta-voz do partido acusou a comissão que analisou as candidaturas de "falta de idoneidade analítica" e de preferir o "tribalismo, favoritismo, amiguismo e compadrio", segundo o Portal de Angola na edição de 7 deste mês.

Partido fundado por Holden Roberto

Na fotografia oficial do Acordo de Alvor de 1975, Angola-Portugal, são reconhecíveis Holden, Neto e Savimbi, a tríade de pais do nacionalismo angolano e da Independência de Angola.

Álvaro Holden Roberto (12.01.1923-2017) era filho de Garcia Disiwa Roberto e de Joana Ilena Lala Nekaka, cristãos da Igreja Baptista de Mbanza Kongo, que foi a primeira capital de Angola.

Fontes: Portal de Angola/Correio do Kianda.ao/... Relacionado: Angola: V Congresso da FNLA elege presidente Nimi Ya Nsimbi — "Novo mas da antiga", disse jovem Joveth Sousa, 26.set.021. Fotos: 1. (Portal de Angola). Novo líder da FNLA. 2. Fontes livres: Bandeiras. 3. (AN.PT) Acordo de Alvor de 1975.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project