REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Angola: Sindicato distribui cesta básica a professores sem salários no Huambo 23 Julho 2018

Os professores angolanos na província do Huambo, sem salários há quatro meses, estão a ser apoiados com uma cesta básica. Esta iniciativa parte do sindicato local da Educação, que já gastou quatro milhões de kwanzas (13.400 euros) neste apoio.

Angola: Sindicato distribui cesta básica a professores sem salários no Huambo

A informação foi transmitida à Agência de Notícia Lusa esta sexta-feira, 20, pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação, Cultura e Comunicação Social do Huambo, Adriano dos Santos, referindo que a iniciativa visa apoiar 904 professores da província que se encontram nesta condição.

"É com base no fundo de beneficência social do sindicato que conseguimos esses produtos diversos da cesta básica, contendo arroz, açúcar, sabão, óleo vegetal, para cobrir as necessidades dos nossos colegas que estão sem salários desde o passado mês de Abril e isto custou aos cofres do sindicato, cerca de quatro milhões de kwanzas", explicou o sindicalista, citado pela Lusa.

Recorde-se, que o Ministério das Finanças de Angola suspendeu, em Abril, os salários de mais de 64 mil funcionários públicos por alegada dupla "efectividade e falta de documentos", medida que tem sido contestada por trabalhadores e sindicatos nacionais.

Deacordo com a Lusa, no caso da província angolana do Huambo, estavam sem salários cerca 2.080 professores, mas em Maio, disse o sindicalista, mais da metade foi reactivada, deixando ainda de fora um total de 904 docentes, cujas dificuldades estão a ser "minimizadas com a cesta básica".

"A medida, que teve início no município da província do Huambo, abrangeu mais de 300 filiados. O projecto vai continuar em outros municípios da província, pois de seguida, vamos aos municípios do Bailundo, Catchiungo", adiantou.

De salientar, que o Sindicato dos Trabalhadores da Educação, Cultura e Comunicação Social do Huambo promoveu de 30 de Maio a 15 de Junho, uma greve interpolada para protestar contra esta medida do Ministério das Finanças, que segundo Adriano dos Santos resultou numa "reação lenta" das autoridades.

"Veio uma comissão do Ministério das Finanças em Junho, começou um novo processo de cadastramento, na altura tínhamos convicção que todos estariam reinseridos, mas até agora nada", apontou, acrescentando que a situação é "preocupante", tendo em conta os quase quatro meses sem salários.

Este sindicalista afirma que os professores, para sobreviverem, já venderam de tudo um pouco, continuam endividados e mesmo que paguem os retroactivos a partir de Abril, servirão apenas, para liquidar dívidas, "daí o nosso apoio com a cesta básica", concluiu.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project