MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Apanhados a furar quarentena, polícia obrigou-os a fazer flexões —Um deles morreu à 300ª 07 Abril 2021

À tricentésima vez em que realizou as flexões impostas como castigo por ter sido apanhado na rua às 18 horas, um cidadão filipino colapsou. Hospitalizado morreu no dia seguinte, segundo anunciou um familiar da vítima. A República Filipina tem-se destacado pelas medidas extremas que têm sido implementadas, de acordo com a linha-dura imposta pelo presidente Rodrigo Duterte.

Apanhados a furar quarentena, polícia obrigou-os a   fazer flexões —Um deles morreu à 300ª

Segundo a denúncia, a polícia de Cavite, cidade a cem quilómetros da capital Manila, deteve Darren Manaog Penaredondo na passada quinta-feira, por ter transgredido as regras da quarentena que impõem o recolher obrigatório às 18 horas.

Penaredondo foi uma das três pessoas em simultâneo submetidas ao castigo de cem agachamentos. Mas ao falharem os exercícios, as repetições atingiram um total de trezentos agachamentos.

No dia seguinte, Penaredondo desmaiou e acabou por morrer no hospital. Para os familiares, a relação causa-efeito parece evidente: "Darren morreu devido à violência do castigo", tuìtou Adrian Lucena.

O chefe da polícia local, Marlo Solero, indicou que "não são aplicados castigos físicos" a quem viole as regras de confinamento, apenas "avisos das forças de autoridade". Solero acrescentou que "não será tolerado este tipo de castigo", se for "provado que os factos ocorreram".

Covid-19 quase trecentuplicou em 12 meses

Há treze meses, a República Filipina destacou-se como o primeiro país fora da China com registo de um óbito. No mês seguinte, contava três mil casos e 136 óbitos.

Em abril do ano passado, causou escândalo internacional a ordem dada pelo presidente Rodrigo Duterte para disparar contra os infratores das regras de quarentena: (Covid-19 nas Filipinas : Presidente Duterte disse "Disparem e matem quem desobedecer às regras" da quarentena — País tem 3.018 casos e 136 óbitos, 04.abr.020.

Mas não espantou ninguém, com o mundo a habituar-se às mais extravagantes ações do presidente conservador amigo de Putin e de Trump. Duterte tem abertamente incentivado a justiça sumária, nos casos de tráfico e consumo de estupefacientes e colocou o país no topo das violações dos direitos humanos: Filipinas: Presidente Duterte põe jornalista entre redação e tribunal como ré, 17.jan.021.

Hoje o país-arquipélago de 110 milhões de habitantes regista quase novecentas mil infeções e 13.817 mortes causadas pelo coronavírus. As medidas impostas por Duterte têm ampla aceitação. A população escolheu-o e continua a apoiá-lo.
— 
Fontes: BBC/Twitter de Adrian Lucena/Philippine Daily Inquirer/Worldometers. 019. Foto: Patrulhas fazem cumprir regras duras, dado o aumento dos casos e óbitos ligados à Covid-19. A República das Filipinas (vasto arquipélago da Insulíndia delimitado pelo Mar das Filipinas a leste, Mar de Celebes e Mar de Sulu a sul e Mar da China Meridional a oeste) tem estado no topo dos países violadores dos direitos humanos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project