REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Ascendeu! — De volta a celebração 27 Maio 2022

Feriado ecuménico em todo o mundo cristão, a celebração do Dia da Ascensão acontece ao quadragésimo dia do ciclo pascal. A tradicional Solenidade da Ascensão ao Céu por Jesus Cristo volta a movimentar o planeta após o recesso ditado pela Covid-19.

Ascendeu! — De volta a celebração

No primeiro confinamento, as duas margens do Atlântico entraram em diálogo sobre os sucessos à volta dessa tradição cultural, que na família se perpetua desde a Era de Oitocentos. Assim diz a oratura, que de bens conservados manuscritos não se fala.

Fala-se pois das Ascensões, nome composto de Maria, saídas duma primeira Ascensão nascida em 1777, mas cujo registo se perdeu — por ação de traças — para reaparecer em 1802 numa nova recém-nascida. Com ortografia e até sem (como o "ç", que alguns introduziram).

À filha primogénita, nascida na cidade-porto e ponto de encontro duma pernambucana e dum jovem arrancado à terra nhanhida, deram o nome da tia. Recém-chegada a Santos, vinda da "freguesia mais católica do arquipélago".

Era essa a explicação do seu nome, replicava a Ascensão a desmentir enredos que na igreja de Santo André alguém tentou fazer passar. Mas não é de admirar, que as paredes provam a vitalidade do tema: a subida de Cristo ressuscitado aos céus, corrija-se cristãmente, ao Céu.

A representação mais tradicional é a primeira (da foto), atribuída a uma escola búlgara do século XIII. Do século catorze, é A Ascensão do pintor italiano Giotto — o pastorinho que tinha a arte no seu ADN. A contemporânea é do espanhol Salvador Dalí. Ascensão, a divinal, que inspirou artistas através dos tempos.

Cânticos à Mrixsenson são a cantiga que está na morada e na merada, diz-se em algumas ilhas ainda marcadas pela contiguidade do rus-urbs. Com cantiga e sem arte visual, que o ADN pictórico ainda não se tornou evidente.

Geniais (será) só na música, segundo a tese baltasarina — do nhô Balta, dr Baltasar celebrado há um mês — a ecoar o relato seiscentista do padre "imperador da língua" sobre as vozes celestiais dos criolos ressoando nas paredes da catedral da cidade da Ribeira Grande, o nosso único Património Material da Humanidade.

Fotos em captação de livros de arte. Relacionado: Dia da Ascensão celebra-se hoje, 22.mai.022.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project