REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Campanha eleitoral no Brasil: Autor do atentado contra o candidato presidencial da Direita disse à Polícia que "foi a mando de Deus"— Bolsonaro foi operado e não corre perigo de vida 07 Setembro 2018

A sociedade civil está reagir com violência à candidatura presidencial da Direita Brasileira. O concorrente Jair Bolsonaro foi operado e o seu quadro clínico é estável, informou na manhã desta sexta-feira, 7, o diretor clínico do hospital de Juiz de Fora, cidade mineira onde o político favorito - depois da candidatura de Lula, que mobiliza mais eleitores segundo as mais recente sondagens de opinião, ter sido barrada pela justiça - da eleição presidencial foi esfaqueado por um indivíduo de imediato detido pela polícia. Ainda no final da manhã, o candidato do PSL foi transferido para o hospital Sírio-Libanês de São Paulo.

Campanha eleitoral  no Brasil: Autor do atentado contra o candidato presidencial da Direita disse à Polícia que

O detido Abílio Bispo Oliveira, de 40 anos, natural de Minas, para onde regressou a procurar emprego, foi quem, na quinta-feira,6, à tarde atingiu com uma facada no abdómen Jair Bolsonaro. O candidato do PSL-Partido Social Liberal é o favorito da eleição presidencial, após o chumbo da candidatura de Lula. Mas o candidato apoiado pelo petista pode, na segunda volta das presidenciais, mobilizar, com a transferência do seu voto, a maiora de eleitores, segundo sondagens divulgadas pelo BBC News e imprensa brasileira, derrotando assim o ex-militar Bolsonoro.

Ex-militante do PSoL-Partido Socialismo e Liberdade (de 2007 a 2014) e hoje sem partido, Oliveira diz que “foi a mando de Deus” que desferiu a facada contra o candidato Jair Bolsonaro. Motivo? ”Ele fala contra os negros, as mulheres…”, segundo o teor do boletim policial citado pelo ‘O Globo.’

O presidente do PSoL — partido da vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 14 de março deste ano — diz repudiar o "inaceitável atentado sofrido por Jair Bolsonaro". Sobre o ex-militante Oliveira afirma: "Independente de ter tido um breve período de filiação ao PSoL, defendemos que o responsável responda por seus atos de acordo com a lei”.

O PSoL em Minas Gerais também se manifestou no mesmo sentido: "Repudiamos toda e qualquer ação de ódio. Cobramos investigação sobre o ataque contra o candidato do PSL. Esperamos das autoridades as medidas cabíveis contra seu autor”, diz o comunicado do diretório mineiro do partido.

Fontes: Globo/ Agência Brasil/BBC News Brasil/Imprensa brasileira

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project