ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Banco Mundial financia com 30 milhões de dólares resiliência do turismo em Cabo Verde 03 Junho 2022

Banco Mundial vai financiar com 30 milhões de dólares o desenvolvimento resiliente do turismo e economia azul cabo-verdiana, projeto que visa para melhorar a qualidade da oferta em várias ilhas em cinco anos, anunciou a instituição.

Banco Mundial financia com 30 milhões de dólares resiliência do turismo em Cabo Verde

De acordo com a informação do Banco Mundial, este crédito, equivalente a 28 milhões de euros, foi aprovado na terça-feira e será concedido a Cabo Verde através da Associação Internacional de Desenvolvimento – organismo daquele grupo que fornece empréstimos sem juros e subsídios aos países mais carenciados — com “um cofinanciamento complementar de cinco milhões de dólares”, através de uma subvenção do Programa Global para o Fundo Fiduciário Multidoadores da Economia Azul.

Acrescenta que o projeto pretende “contribuir para objetivos críticos, nomeadamente a melhoria sustentável da diversidade da oferta do setor turístico em mais ilhas e segmentos de mercado”, bem como “permitir uma maior participação e ligações das comunidades locais nos dividendos económicos que advêm do turismo”.

Nesta primeira fase, as intervenções integradas e transetoriais do projeto abrangerão destinos nas ilhas de Santiago, Santo Antão, São Vicente e Sal, incluindo o desenvolvimento de infraestruturas “resilientes de turismo e economia azul”, como a melhoria de trilhos de ‘trekking’, restauro de património histórico-cultural, passeios marítimos, cais de pesca e mercado ou acessibilidades.

Prevê o apoio ao setor das pequenas e médias empresas locais e empresas lideradas por mulheres “no fornecimento de serviços e produtos sustentáveis, orientados para a procura atual da cadeia de valor turística”, aproveitando em particular o potencial associado à economia azul em Cabo Verde.

Envolve ainda o apoio “a um quadro de políticas públicas conducentes e facilitadoras (incluindo o marketing internacional do destino Cabo Verde)”, bem como “o reforço do planeamento territorial associado, a melhoria da recolha de estatísticas turísticas, o reforço da sustentabilidade e da gestão de sítios e serviços turísticos”, entre outras medidas.

“À medida que as autoridades perseguem o objetivo de reconstruir melhor (“build-back better”), cria-se uma oportunidade real de enfrentar estes desafios. Neste contexto, o projeto proposto apoia a visão e estratégias nacionais – nomeadamente o Programa Operacional do Turismo e o Plano Nacional de Investimento para a Economia Azul – para promover o turismo sustentável e a conservação dos recursos naturais com benefícios para as comunidades locais”, explica o Banco Mundial, sobre este financiamento concedido a Cabo Verde.

A instituição, que ainda em abril aprovou outro financiamento a Cabo Verde, de 26 milhões de dólares (24,3 milhões de euros), para o projeto de capital humano, recorda o turismo no arquipélago “registou um crescimento excecional nas últimas duas décadas e é um motor crucial de crescimento e criação de emprego”, valendo cerca de 25% do Produto Interno Bruto (PIB).

“A pandemia de covid-19 representou, no entanto, um grande revés, com as chegadas a colapsarem cerca de 75 por cento em 2020, afetando o turismo e os setores auxiliares de forma particularmente dura. Para além do choque económico sem paralelo, a pandemia destacou também desafios estruturais no setor, incluindo a concentração excessiva de chegadas em duas ilhas e num único segmento de mercado, ligações fracas com as cadeias de abastecimento local, e questões de sustentabilidade ambiental – em particular nas zonas costeiras”, sublinha a instituição.

Cabo Verde enfrenta uma profunda crise económica e financeira, decorrente da forte quebra na procura turística desde março de 2020, devido à pandemia de covid-19.

Em 2020 registou uma recessão económica histórica, equivalente a 14,8% do PIB, seguindo-se um crescimento de 7% em 2021.

Segundo informação anterior da instituição, o Banco Mundial é “um dos parceiros estratégicos de desenvolvimento de Cabo Verde”. Contava no primeiro trimestre deste ano com 11 projetos em execução no país, nas áreas do turismo, educação e desenvolvimento de competências, transportes, inclusão social, energia, economia digital, saúde, setor empresarial e acesso ao financiamento de micro e pequenas empresas, totalizando 223 milhões de dólares (203 milhões de euros).

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project