LEITURA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Biblioteca Nacional recebe 476 exemplares de trabalhos científicos da Agência Reguladora do Ensino Superior 16 Novembro 2022

O Instituto da Biblioteca Nacional recebeu hoje 476 exemplares de trabalhos científicos, de 2018 a 2021, da Agência Reguladora do Ensino Superior (ARES), com o intuito de salvaguardar e divulgar o conhecimento científico sobre diferentes áreas do saber.

Biblioteca Nacional recebe 476 exemplares de trabalhos científicos da Agência Reguladora do Ensino Superior

Esta doação enquadra-se no cumprimento do dever do depósito legal, segundo contou à imprensa a presidente da Biblioteca Nacional, Matilde Santos, que explicou que são trabalhos feitos no estrangeiro, na sua maioria por cabo-verdianos, e que depois em Cabo Verde são recebidos pela ARES, no âmbito da solicitação do pedido de equivalências.

“Normalmente esses trabalhos são entregues no final de cada ano, mas houve um ligeiro atraso que tem a ver não só com a questão da pandemia, mas também, com outras questões, e por isso agora nós estamos a receber este cômputo geral que vem de 2018 até 2021, um total de 476 teses de mestrado e também de doutoramento das mais diversas áreas do saber”, precisou.

Os documentos recebidos contemplam diversas áreas como Medicina, Biologia e outras das tecnologias, ou seja, temáticas que a presidente da Biblioteca Nacional considera serem de “extrema relevância”.

“Este evento é feito de forma oficializado para mostrar ao público em geral que essas teses vão ficar disponíveis na Biblioteca Nacional para consultas”, assinalou, salientando que são trabalhos actualizados de “suma importância” para Cabo Verde, daí sublinhar a razão do acto.

Com mais esta doação, esclareceu que se trata de uma actualização que ocorre também com as outras obras que a Biblioteca Nacional recebe e que vai actualizando constantemente.

Por seu lado, o presidente do conselho de administração da Agência Reguladora do Ensino Superior, João Dias, avançou que a entrega até agora tem sido física, mas que a instituição pretende que todo o processo passe a digital, a partir do próximo ano.

“Nós estamos a concluir a ferramenta que irá possibilitar todo o processo de graus e diplomas estrangeiros através da plataforma da ARES, por meio de um projecto puramente digital e, portanto, o físico deixará de ser”, sintetizou a mesma fonte.

Segundo disse, o digital já estava no projecto da ARES, que veio acelerar-se com a pandemia, e justifica-se com o próprio espaço físico que a própria Biblioteca Nacional não tinha para os receber, uma vez que são 440 trabalhos científicos, tendo alguns cerca de 500 páginas.

A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project