INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Biden diz que Putin quer "ganhar fôlego" com anúncio de cessar-fogo 05 Janeiro 2023

O Presidente dos EUA, Joe Biden, disse hoje que o seu homólogo russo, Vladimir Putin, está a tentar “ganhar fôlego”, com o anúncio de um cessar-fogo na Ucrânia, durante o Natal ortodoxo.

Biden diz que Putin quer

“Ele (Putin) esteve pronto para bombardear hospitais, creches e igrejas (...) em 25 de dezembro e no Ano Novo (...) Acho que está a tentar ganhar fôlego”, disse Biden, referindo-se ao anúncio do Presidente russo de que as tropas de Moscovo iriam observar um cessar-fogo de 36 horas entre o meio-dia de 06 de janeiro e a meia-noite de 07.

"Atendendo ao apelo de Sua Santidade o patriarca Cirilo, instruí o ministro da Defesa para introduzir um regime de cessar-fogo ao longo de toda a linha de contacto na Ucrânia desde as 12:00 de 06 de janeiro deste ano até à meia-noite de 07 de janeiro", refere o comunicado do Kremlin.

A declaração de Biden está em sintonia com a reação do Governo ucraniano ao anúncio russo do cessar-fogo, que criticou a “hipocrisa” da decisão do Kremlin.

Um conselheiro do Presidente ucraniano qualificou hoje de “hipocrisia” o anúncio de um cessar-fogo russo na Ucrânia por ocasião do Natal ortodoxo, e apelou às tropas russas para abandonarem o país.

“A Rússia deve deixar os territórios ocupados, e apenas assim será possível uma ‘trégua temporária’. Fiquem com a vossa hipocrisia”, escreveu no Twitter.

Também a chefe da diplomacia alemã desvalorizou hoje o cessar-fogo russo na Ucrânia por ocasião do Natal ortodoxo, afirmando que não trará "nem liberdade nem segurança às pessoas que vivem diariamente com medo sob ocupação russa".

"Se Putin quisesse a paz, retiraria os seus soldados para casa e a guerra acabaria”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Annalena Baerbock, numa mensagem no Twitter.

“Aparentemente, [Putin] quer continuar a guerra, depois de uma breve interrupção", considerou a chefe da diplomacia alemã.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas – 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 7,9 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, 17,7 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.919 civis mortos e 11.075 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais. A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project