LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Bispos lusófonos: Dignificação da pessoa humana e a preservação do bem comum é o que espera a igreja católica da sociedade 29 Abril 2018

A igreja católica espera que a sociedade se organize melhor para a dignificação da pessoa humana e a preservação do bem comum, enquanto princípios da doutrina social importantes para a realização de cada membro da sociedade.

Bispos lusófonos: Dignificação da pessoa humana e a preservação do bem comum é o que espera a igreja católica da sociedade

Segundo a Inforpress, a mensagem foi deixada pelos bispos lusófonos durante a conferencia sobre “Os desafios da Igreja à Sociedade” realizada na tarde hoje no quadro do 13º encontro dos bispos lusófonos que decorre na Cidade da Praia.

O evento contou com a participação de três oradores, designadamente Dom Manuel Clemente, Cardeal-patriarca de Lisboa, Dom Sérgio da Rocha, Cardeal e arcebispo de Brasília e Dom António Jaca, Bispo de Benguela, Angola.

Dom Manuel Clemente começou por dizer que os desafios que a igreja coloca à sociedade correspondem aos desafios que a sociedade coloca à igreja, pelo que considerou que o tema dessa conferência é um tema recíproco.

“Enquanto igreja, também vivemos na sociedade e esperamos que a sociedade que nós integramos também viva esses valores do evangelho que acreditamos que são muito importantes para a realização total de todos e de cada um de nós”, disse o prelado cita pela agencia de natoícias de Cabo Verde.

Dom Manuel Clemente frisou que a doutrina social da igreja está assente em quatro princípios, designadamente a dignidade da pessoa humana, o respeito pelo bem comum e o principio da subsidiariedade e o principio da solidariedade.

Entretanto, salientou que o princípio da subsidiariedade e do princípio da solidariedade é cumprido através do apoio, da valorização e o respeito dos organismos do topo aos corpos intermédios da sociedade para que ninguém fique de fora.

“Portanto se me perguntarem o que é que a igreja pede à sociedade eu respondo que a igreja pede à sociedade aquilo que a igreja há de ser a primeira a dar à sociedade, ou seja, valores evangélicos que são valores que decorrem da atitude de Jesus Cristo face às pessoas do seu tempo”, explicou.

Na mesma linha de ideia Dom António Jaca, Bispo de Benguela, também defendeu que a igreja espera da sociedade aquilo que dá à sociedade e de forma particular o cumprimento dos princípios da doutrina social acima referidos.

A fazer fé no mesmo órgão da imprensa, Dom António Jaca, que integrava o painel na qualidade de representante da África afirmou que no seu continente há ainda algumas dificuldades, particularmente na questão da dignidade da pessoa e do respeito pelo bem comum.

“Podemos constatar que o respeito pela dignidade da pessoa humano não era e em vezes casos continua a não ser respeitada. Tivemos partido único, tivemos guerra, tivemos, dificuldades com multipartidarismo e continuamos a não conseguir pôr em prática este princípio”, disse afirmando que muitas das dificuldades é também justificada pelo repartimento desigual da riqueza no continente.

Neste sentido, salientou que todos os cristãos que estão no mundo da política, da economia, do desporto, da cultura são chamados a mudar o seu comportamento e a trabalharem para o bem comum.

“Viajando pelos vários países de África encontramos sempre os mesmos problemas: de desenvolvimento, com a saúde, a educação, com a circulação de bens. Portanto temos um conjunto de situações que apelam à nossa consciência para sermos efectivamente factores de transformação”, salientou o prelado.

Por último, Dom Sérgio da Rocha, Cardeal e arcebispo de Brasília, disse que é preciso que a própria sociedade seja interpelada e questionada e motivada a dar a sua contribuição

“Por exemplo, no campo da justiça e da paz. Não basta aquilo que a igreja oferece. Ela precisa que a própria sociedade se mobilize. No campo da preservação do meio ambiente, do cuidado da casa comum. Nós temos necessidade não só da palavra da igreja que tem sido dada, através do Papa Francisco, mas é preciso também que a sociedade se organize e faça a sua parte”, sublinhou.

A conferência sobre os desafios da Igreja à Sociedade que teve lugar no Centro Paroquial de Nossa Senhora da Graça foi moderada por Jacinto Santos e contou com sala cheia, conclui a Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project