ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Boa Vista: Proprietários de táxis pensam parar actividades devido a dificuldades de acesso a créditos 12 Novembro 2020

Os proprietários de táxis da ilha da Boa Vista ponderam parar as actividades alegando dificuldades de acesso à linha de crédito para manutenção do investimento bancário feito para as micro e pequenas empresas de transporte.

Boa Vista: Proprietários de táxis pensam parar actividades devido a dificuldades de acesso a créditos

De acordo com as informações avançadas pela Inforpress, um grupo de proprietários de táxis procurou a comunicação social para falarem de alguns problemas económico-sociais que enfrentam, entre eles a dificuldade de acesso ao programa do fomento da linha de crédito para a manutenção do investimento feito nas micro e pequenas empresas.

“ Tenha pago a segurança social até ao mês de Junho e tive de pagar mais dois meses, ou seja Julho e Agosto, ficando a dever os meses de Setembro e Outubro. Entretanto não consegui obter o documento” disse o proprietário de um táxi, Olavo Teixeira.

Conforme explicaram, para aceder ao crédito nos bancos tem de ter o processo completo, que inclui uma declaração do INPS, o que não conseguem obter tendo em conta que, para terem o documento, dizem que a instituição de segurança social alega dividas que tem por pagar desde o mês de Março.

“Vamos ao INPS para adquirir qualquer declaração, dizem-nos que temos dívidas desde o mês de Março, sabendo que desde essa altura deixamos de pagar às finanças e as nossas contribuições bancárias, porque não temos rendimentos”, afirmou Olavo Teixeira, questionando como conseguir retirar oito por cento (%) do seu salário para pagar ao INPS, ou outras despesas, se desde a altura não tem rendimentos devido à paralisação das actividades por causa da covid-19.

Outro proprietário de táxi, Júlio Sousa fez apelo à ajuda do Governo nesta questão pois, conforme avançou, da forma como estão a trabalhar, sem conseguir lucrar por vezes ao menos 500 escudos por dia” teme, assim como outros colegas, pelo “pior”, isto é, se a situação perdurar, dentro de dois meses poderão encerrar as empresas e perder o investimento bancário.

“Se nós todos já temos um empréstimo bancário, a garantia do financiamento é a manutenção do crédito, neste caso o seguro, a manutenção da viatura, se não conseguirmos esta linha de crédito para esta manutenção, dali para frente termos um colapso total”, analisou.

Por isso, Júlio Sousa pediu a intervenção do Governo e criação de condições dos bancos para acesso a linha de crédito para a manutenção do investimento, frisando que “se não conseguirem obter o crédito, poderão acumular dividas e mais tarde vir a precisar de um valor superior para poderem levantar as empresas”.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project