REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

"Bomba suja" é Rússia a "culpar os outros pelo que pretendem fazer" 26 Outubro 2022

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, alertou hoje que as acusações de Moscovo sobre o possível uso de uma "bomba suja" pela Ucrânia encaixam numa tática clássica da Rússia de "culpar os outros pelo que pretendem fazer".

"A Rússia continua a acusar falsamente a Ucrânia de fabricar uma bomba suja. Isto é um absurdo: por que a Ucrânia usaria uma bomba suja nos seus territórios que deseja libertar?", questionou Stoltenberg em entrevista à France-Presse (AFP) citada pela NM.

Moscovo deve entender que o Ocidente não aceitará "falsos pretextos para uma nova escalada da guerra na Ucrânia", acrescentou o responsável da Aliança Atlântica numa entrevista realizada a bordo do porta-aviões norte-americano USS George H.W. Bush, empenhado no exercício "Neptune Strike 2022" no Mediterrâneo.

Há vários dias que a Rússia está a acusar a Ucrânia de preparar uma "bomba suja", composta por explosivos convencionais rodeados por material radioativo destinado a serem disseminados durante a explosão e de querer utilizá-la para acusar a Rússia.

"Sabemos que os russos muitas vezes acusam os outros do que eles próprios pretendem fazer. Vimos isso na Síria, vimos no início desta guerra na Ucrânia", vincou Stoltenberg.

Para Stoltenberg, o conflito deve terminar "mais cedo ou mais tarde" na mesa de negociações, mas "os Aliados nunca negociarão ou concluirão um acordo sobre a Ucrânia sem a Ucrânia", insistiu.

"O que a Ucrânia pode conseguir na mesa depende de quão forte eles são no campo de batalha. A única hipótese que têm para sobreviver como uma nação independente é se forem capazes de se defender das forças russas para alcançar uma solução política aceitável nas negociações", acrescentou.

Segundo a mesma fonte, o Conselho de Segurança da ONU debateu esta terça-feira à porta fechada, a pedido de Moscovo, as acusações da Rússia, que afirma que a Ucrânia fabricou uma ’bomba suja’, alegações rejeitadas por Kiev e pelo Ocidente.

No final, o embaixador britânico junto da ONU, James Kariuki, disse hoje que as alegações russas de desenvolvimento pela Ucrânia de ’bombas sujas’ são apenas um novo capítulo na prolongada desinformação e propaganda Rússia.

A operadora de energia nuclear da Ucrânia disse esta terça-feira que responsáveis russos realizaram trabalhos secretos na última semana na central nuclear ocupada de Zaporijia, com o alegado intuito de preparar um "ato terrorista".

O secretário-geral da Aliança Atlântica manifestou ainda "confiança" ao abordar o novo governo italiano, chefiado pela líder da extrema-direita, Giorgia Meloni, que, quando estava na oposição, acusou a NATO de "criar um clima de guerra fria" com a Rússia.

"Congratulo-me com a sua forte mensagem de apoio à NATO, mas também a sua forte mensagem sobre a continuação do apoio italiano à Ucrânia", realçou.

A ofensiva militar, prossegue NM, lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,5 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project